Pular para o conteúdo principal

"Contentai-vos com o vosso soldo." Lucas 3.14

 


"Contentai-vos com o vosso soldo." Lucas 3.14

Como somos criaturas parcialmente sociais, temos, desde a infância, sido lentamente envenenados pela sociedade da qual fazemos parte. E um desses venenos que é injetado no "organismo" das pessoas é o descontentamento.

Todos os dias somos chamados, de alguma maneira, por uma ou mais vozes sociais, a nos sentirmos descontentes com algo ou alguma área da nossa existência, de modo que o descontentamento se tornou um estado existencial constante para bilhões de pessoas ao redor do planeta; de fato, grande parte da humanidade parece ter esquecido o que viver contente significa, e, por consequência têm sido privados dos benefícios físicos e psicológicos que essa maravilhosa virtude pode proporcionar na mente e na vida diária de qualquer um que se dedique a cultivá-la.

Muitas pessoas, e cada vez mais, escolhem a profissão que vão seguir ou a ocupação que vão desempenhar por muito tempo na sociedade tomando como base para essa decisão unicamente a quantidade de dinheiro que vão ganhar ou fazer, apenas para ficarem profundamente descontentes quando estiverem ganhando ou recebendo tal quantia; isso tem acontecido com médicos, engenheiros, advogados, professores, vendedores, políticos, jogadores de futebol, pastores, e com quase todos os indivíduos que fazem parte da sociedade atual. O mais sábio seria que escolhessem sua fonte de renda, seja uma profissão ou uma ocupação, com base no contentamento que sentirão desempenhando tal função.

Quando lemos a parte da passagem de Lucas 3.14 que diz: "Contentai-vos com o vosso soldo", tal direcionamento espiritual está apontando para um ensinamento muito mais amplo do que percebemos inicialmente.

E que ensinamento é esse?

O entendimento de que as pessoas têm se deixado ficar descontentes com a própria vida, ainda que estejam vivendo de forma nababesca (extremamente luxuosa e ostentadora).

Veja. O soldo é a quantia de dinheiro recebida como pagamento, ou seja, é o salário que alguém recebe, ou até mesmo, qualquer renda que alguém produza. Sendo assim, ele é a base e a sustentação de todo o estilo de vida, assim como, dos padrões de consumo de bilhões de pessoas. Porém, o problema que tem se tornado cada vez mais agudo na sociedade atual é o fato de que as multidões, tanto aqueles cujo salário ou renda é menor, quanto os que recebem grandes quantias mensalmente, estão repletos de desejos sociais, ambições pessoais, profissionais e financeiras, sonhos de consumo, expectativas megalomaníacas e uma vasta gama de outros impulsos que eles julgam ser motivadores para o desenvolvimento de sua condição social de vida, mas que na verdade são grandes e pontiagudos espinhos que vão ferir a alma e sufocar toda semente de fé que haja dentro de tais indivíduos. Como foi escrito em Mateus 13.22, que diz: "E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera.".

Dessa forma, inebriados e seduzidos por tais cuidados do mundo e sedução das riquezas, que nada mais são do que seus próprios desejos, sonhos, ambições e expectativas sociais; uma multidão cada vez maior tem se tornado profundamente descontente com a sua situação de vida (independente de qual seja), pois estão sempre, freneticamente, em busca de mais de absolutamente tudo o que a sociedade tem a oferecer, mais conforto, mais praticidade, mais tecnologia, mais luxo, mais beleza, mais esportividade, mais posses, mais status e muitas outras coisas semelhantes que, em excesso, convertem-se automaticamente em fardos psicossociais a serem carregados. O que essas pessoas não se dão conta é que quanto mais desejos, ambições, sonhos de consumo e expectativas sociais elas cultivarem dentro de si, maior será a quantidade de dinheiro que tais coisas exigirão que eles consigam para alcançar e sustentar seu padrão de vida, e de consumo, cada vez mais elevado, logo, como o salário/pagamento/renda (soldo) que geralmente estão recebendo está abaixo do que eles julgam necessário para construir e custear todos esses sonhos, expectativas e ambições de consumo, tal salário, ou qualquer tipo de pagamento semelhante, torna-se em uma espécie de símbolo psicossocial do seu descontentamento por não estarem sendo capazes de realizar tudo o que a mente deles almeja adquirir com aquilo que recebem.

Quem nunca ouviu, ou falou, alguma frase semelhante a essas:

*Ainda não comprei aquela nova televisão "8k" porque ganho pouco;

*Ainda não troquei de carro porque meu salário é baixo;

*Quando eu for promovido e passar a receber um salário maior, vou comprar uma casa de praia;

*Ainda não mudei de apartamento porque não estão me pagando o suficiente;

*Vou dividir o valor desse novo celular (pode ser qualquer outra compra desnecessária) em várias parcelas para poder encaixar no meu orçamento mensal.

*Quando a minha empresa estiver gerando mais lucro vou fazer "isso", comprar "aquilo", visitar tal lugar, e etc...

Note que o problema aqui não é o consumo em si, mas sim o fato de boa parte das pessoas estar tão viciada, compulsivamente, em consumir todo tipo de desejos sociais e realizar os "seus" mais variados sonhos sem sentido, que a quantidade de dinheiro que recebem, ou fazem, mensalmente, fica sempre pequena em comparação com o tanto de coisas e experiências superficiais e desnecessárias que eles estão sempre acumulando e desejando acumular. E é por causa de estarem presos nesse carrossel, que o descontentamento com o que recebem como salário, pagamento ou renda tende a continuar aumentando, mesmo que já estejam ganhando muito bem. 

Tais pessoas não percebem, mas esse descontentamento crônico que nutrem a respeito do "soldo" que recebem é um dos sintomas mais claros do que a Escritura Sagrada chama de amor ao dinheiro, pois não importa quanto recebam, nunca estarão contentes. Por isso, também, foi escrito em Eclesiastes 5.10 o texto que diz: "Quem amar o dinheiro nuca se fartará de dinheiro; e quem amar a abundância nunca se fartará de renda...". Precisamos compreender que uma coisa é sermos conscientes de que estamos fazendo ou recebendo uma quantidade de dinheiro inferior ao que é realmente necessário para suprir nossas necessidades sociais mais básicas, e outra coisa completamente diferente é acharmos que não estamos ganhando o suficiente porque nosso salário ou renda não nos permite obter e acumular todo tipo de supérfluos que nossa mente e a sociedade insistem em dizer que nos farão felizes.

Todo cristão(ã) verdadeiro(a) sabe a diferença entre essas duas situações, e foi por esse motivo que o apóstolo Paulo escreveu em 1 Timóteo 6.8 o texto que diz: "Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.". Qualquer pessoa que esteja tentando alcançar determinado patamar social, assim como, algum nível salarial ou de renda, específico, na expectativa de, a partir de tal patamar, finalmente encontrar contentamento com o seu padrão de vida e de consumo, jamais será alguém contente; pois seus desejos sociais nunca pararão de se renovar e multiplicar, de modo que sua renda, ou seu salário, sempre estará aquém daquilo que o Ego de tal pessoa, e a sociedade, dizem ser necessário para obter e realizar o seus sonhos. Sonhos estes que são constituídos basicamente por um grande amontoado de todo tipo de supérfluos. De fato, a maioria absoluta das pessoas não necessita de mais da metade do que desejam possuir, alcançar e realizar; mas infelizmente, se deixam convencer de que só serão felizes se realizarem, comprarem e acumulares tudo o que a sua mente natural condicionada pela sociedade, que é o seu Ego/carne, disser que devem perseguir. 

Cristãos legítimos sabem que o contentamento não é algo que possa ser encontrado em algum lugar, ou coisa, externa; nenhum bem, posse ou aquisição jamais poderá produzir contentamento real, ou seja, de longa duração e autossustentável, em nós. Pois a verdade é que não são as coisas da vida que tem de nos fazer contente, somos nós é que temos de estar contentes com as coisas da vida.

E como fazemos isso?

Compreendendo que, por mais clichê que possa parecer, a virtude do contentamento é algo que deve ser descoberto internamente, pois na maioria das pessoas ela está totalmente soterrada e esmagada sob toneladas de desejos, sonhos, ambições, expectativas e todo tipo de cuidados, vaidades, sociais que são os cuidados do mundo e a sedução das riquezas, que nunca param de aumentar de tamanho, intensidade e preço. 

Quando a Escritura Sagrada nos exorta a estarmos contentes com o nosso soldo (pagamento, salário, renda), estamos sendo ensinados a manter a nossa situação social de vida, assim como nosso padrão de consumo em um nível que possa ser atendido e sustentado pela quantidade de dinheiro que fazemos ou recebemos, sem nos deixar iludir e inebriar pelos cuidados e seduções sociais que todas as vozes ao nosso redor, inclusive dentro de várias congregações, dizem ser as fontes da felicidade. Qualquer pessoa realmente contente compreende que o contentamento independe da condição social ou financeira; e foi também por isso que o apóstolo Paulo, homem que mantinha a própria mente sempre em estado de contentamento, em qualquer situação e sob quaisquer circunstâncias, escreveu o texto registrado em Filipenses 4.12, que diz: "Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a ter necessidade.".

O ensinamento de Deus dado através de Paulo nesse versículo é o seguinte: 

"Estou sempre contente com a quantidade de dinheiro que tenho a minha disposição, seja pouco ou seja muito, minha mente sempre estará contente, pois aprendi a viver apenas com o que me é realmente necessário". 

Qualquer pessoa, eu, você, ou qualquer indivíduo, só conseguirá viver de maneira realmente plena se, assim como Paulo, encontrar primeiro o contentamento dentro de si mesmo(a), e cultivá-lo; porque a partir daí, será irrelevante se receberem um salário ou produzirem uma renda baixa ou alta, pois toda a sua vida estará perfeitamente balanceada pelo contentamento.

Então quer dizer que as pessoas não podem querer progredir na carreira para ganhar um salário maior ou produzir uma renda mais alta?

É claro que podem, na verdade, elas devem fazer isso, se tiverem ou criarem as oportunidades para tal evolução de maneira consciente; porém, não devem devotar a vida a isso alucinadamente, sendo dominados(as) por seus próprios desejos, ambições, expectativas e toda sorte de sonhos sociais e de consumo como a sociedade está constantemente nos incitando a fazer. Devemos buscar qualquer tipo de evolução e desenvolvimento social, profissional e financeiro, partindo sempre de uma posição mental inspirada pelo Espírito, ou seja, uma posição mental de contentamento, e não uma posição de apego aos desejos sociais insaciáveis como é o padrão da humanidade atualmente.

Embora pareça algo completamente absurdo para a maioria das pessoas na sociedade, é perfeitamente possível estarmos contentes com o nosso salário, ou renda, e com o estilo de vida e de consumo que ele nos proporciona, mesmo que seja modesto, e mesmo assim trabalharmos com sabedoria e paciência para a evolução equilibrada das nossas finanças e do nosso patrimônio social. A diferença é que se partirmos de uma posição mental de contentamento não seremos dominados e iludidos pelas artimanhas sociais do espírito do mundo, e estaremos finalmente livres do veneno social do descontentamento que é o carrossel interminável dos desejos, sonhos e ambições do Ego humano que está fustigando as multidões de todas as classes da atual coletividade.


Comentários

  1. Parabéns pelo texto. Dá para ver claramente que é ensinado e inspirado pelo Espírito Santo em tudo o que escreve. Descobri este blogue e parece que farei muitas visitas a ele daqui em diante para aprender a caminhar mais como Deus quer que caminhemos. Agradeço a Deus pela sua vida, pelo o dom que lhe deu.
    Um abraço de irmão em Jesus 🙂

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Óscar! 😃
      Obrigado por deixar o seu comentário aqui. Fico contente em saber que você gostou o texto. Sinta-se sempre à vontade neste blog.
      Que a magnífica luz de Cristo te dê cada vez mais consciência, clareza e lucidez de pensamento e de fé.
      Grande abraço.💖👍

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c