Pular para o conteúdo principal

"...O maior destes é o amor." 1 Coríntios 13.13

 

"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior destes é o amor." 1 Coríntios 13.13

Você sabia que a fé é subordinada ao amor?

Desde que a igreja de Cristo foi instituída sobre a face da terra, até os dias atuais, aconteceram inúmeros avivamentos da fé por toda parte em praticamente todos os continentes, e isso seria algo muito bom se não fosse por um "detalhe" que fomos ensinados a negligenciar.

E que detalhe é esse?

O amor.

Mas como assim?

Boa parte dos inúmeros avivamentos da fé que já ocorreram, e ainda ocorrem, foram ou estão sendo quase que totalmente desperdiçados porque as multidões não conseguem, ou recusam-se, a perceber que a fé é "apenas" um meio para algo muito maior do que ela. A fé é o meio pelo qual somos conectados com Deus e que nos permite sermos aperfeiçoados pelo amor; e esse sim, é a finalidade absoluta da nossa existência.

A fé não é uma virtude absoluta, por mais estranho que isso possa parecer, o fato é que a fé precisa de algo maior do que ela mesma para que ela faça sentido, do contrário, é apenas um conjunto de pirotecnias sem qualquer essência; por esse motivo foi que o apóstolo Paulo escreveu o que ficou registrado em 1 Coríntios 13.2b, que diz: "...Ainda que eu tivesse toda a , de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.". O que Paulo está dizendo nesse conhecido texto é algo muito simples, porém, muito ignorado; ele está revelando que a fé precisa necessariamente do amor para norteá-la, pois do contrário ela será tão somente um grande desperdício de potencial, ainda que produza grandes feitos e efeitos como transportar os montes.

Qualquer pessoa que possua fé, mas não "possua" amor, será como uma labareda de fogo frio; estará contente, envaidecido(a) e orgulhoso(a) com os sinais e maravilhas que tal fé pode produzir, e produzirá, mas sem perceber que tais manifestações da fé são apenas uma espécie de circo para leigos; por isso também foi escrito o texto de Mateus 7.22-23, que diz: "Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.".

Mas qual foi a iniquidade que tais pessoas praticaram?

Elas se concentraram apenas em produzir os sinais da fé, mas ignoraram e negligenciaram completamente o amor e as obras dele.

E o que isso significa?

No livro de Tiago, 2.17, foi registrado o conhecido verso que diz: "Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.". O problema é que o espírito do mundo doutrinou multidões dentro das mais diversas congregações para que confundam as obras mencionadas em Tiago 2.17 com os sinais da fé vistos em Marcos 16.17-18, que diz: "E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão.". Note que Jesus fala abertamente que curar os enfermos, expulsar demônios, falar novas línguas e etc..., são sinais e não obras da fé.

Então de quais obras o texto de Tiago 2.17 está se referindo quando diz que a fé sem obras é morta?

As obras do amor.

No mesmo livro de Tiago, 2.14, diz assim: "Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura, a fé pode salvá-lo?". Compreenda que a essência desse versículo é a seguinte: Meus irmãos, de que adianta alguém demonstrar os sinais da fé, mas não produzir as obras do amor. Será que somente os sinais da fé podem salvá-lo(a)?

E como vimos em Mateus 7.22-23 Jesus diz abertamente para todos os que concentraram a vida apenas em demonstrar os sinais da fé, que somente isso não é o suficiente para a salvação de um indivíduo; de fato, isso é uma espécie de iniquidade.

Todo cristão verdadeiro compreende que a fé, embora seja extremamente importante, crucial, ainda assim necessita do amor para ter vida e sentido real, pois o amor é soberano, uma vez que ele é o próprio Deus. De modo que nós precisamos entender que:

*Sem o amor, a fé é superficial;

*Sem o amor, a fé pode ser corrompida, e geralmente o é, de formas tão sutis e dissimuladas que as pessoas nem mesmo se dão conta; porém, a fé com o amor é pura e incorruptível.

É por esse motivo que o texto de Tiago 2.15 diz: "E, se o irmão ou a irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e lhes não derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí?".

O que o apóstolo Tiago está dizendo nesse verso é que são as obras do amor aquilo em que devemos nos concentrar, pois são através de tais obras, em conjunto com a fé, que seremos justificados, como o próprio livro de Tiago 2.24 deixa claro ao registrar o seguinte texto: "Vede, então, que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé.".

Quando percebemos que a fé é subordinada ao amor, todo o nosso modo de pensar e experimentar a fé é automaticamente transformado, e elevado para um nível superior, assim como toda a fé que brotar em nós através da Escritura Sagrada também será potencializada pela amplitude infinita do amor, é nesse momento que as nossa obras deixarão de ser apenas sinais de fé (que são sim importantes) e passarão a ser primordialmente obras poderosas e essenciais de amor a Deus, ao próximo e a nós mesmos; pois como foi dito em 1 João 4.8: "Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor.".

Em Marcos 11.22, Jesus diz: "...Tende fé em Deus...". Se entendemos que Deus é amor, nos tornamos conscientes de que a verdadeira fé em Deus não pode existir sem o amor. Somente os que compreenderem isso serão realmente aperfeiçoados pelo amor e serão capazes de usar a fé, além da superfície, além dos sinais, além da demagogia, além da hipocrisia; mas de maneira adequada e correta produzindo abundância de obras amorosas; estes são os indivíduos para os quais o amor nunca se esfriará e para os quais todo avivamento de fé não se perderá, mas perdurará por toda a vida de modo que guardarão tal fé até que sejam recebidos por Cristo na eternidade; exatamente como o que aconteceu com o apóstolo Paulo e foi registrado no texto de 2 Timóteo 4.7, que diz: "...guardei a fé.".

Estes são os verdadeiros cristãos, a verdadeira Igreja de Cristo, aquelas pessoas para as quais o texto de Mateus 25.34 se refere quando afirma: "Então , dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo...".

E porque Jesus falará isso a essas pessoas?

Porque elas não se limitaram a viver baseando-se apenas nos sinais da fé, mas sim, usaram a fé que deriva do amor para serem abundantes nas obras do amor; como o texto de Mateus 25.35-36 deixa claro ao dizer: "...Porque tive fome, e deste-me de comer; tive sede, e deste-me de beber; era estrangeiro, e hospedaste-me; estava nu, e vestiste-me; estive na prisão, e fostes ver-me.".

Este grupo de pessoas, os cristãos genuínos, estão muito mais concentrados, e ocupados, em produzir as obras do amor, pela fé; do que em apenas manifestar os sinais da fé sem o amor, como infelizmente tem sido tão comum para muitos dentro das mais diversas congregações, de modo que em algum ponto no futuro o amor desses indivíduos, assim como ocorrerá com as pessoas do mundo, se esfriará completamente, como o texto de Mateus 24.12 deixa claro ao afirmar que: "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará.". Na verdade, se olharmos atentamente para a sociedade veremos que ela está sendo inundada por uma polarização massiva que é um sinal claro desse esfriamento do amor ao qual a Escritura Sagrada se refere. 

De fato, é muito comum ouvirmos pessoas dizendo que gostariam de ter mais fé, eu mesmo já disse isso diversas vezes no passado antes de ter os meus olhos abertos para o entendimento que estou compartilhando aqui; mas quase não ouvimos alguém dizendo que gostaria de ser mais amoroso(a). Muitas pessoas oram e suplicam a Deus pedindo que Ele os acrescente mais fé, mas tudo o que desejam fazer com essa fé é apenas demonstrar os sinais dela e se orgulhar disso em seu próprio Ego ou perante outras pessoas, ainda que o façam de uma maneira inconsciente, sutil e dissimulada.

O conhecido texto de Hebreus 11.6 diz que sem fé é impossível agradarmos a Deus, e no mesmo livro dos Hebreus 10.38 diz que o justo viverá pela fé; porém, o ponto que não podemos nos permitir ignorar é o de que essa fé referida, não apenas nestes dois famosos versículos citados, mas também em todos os outros que tratam desse tema, é a fé viva, real, pura e incorruptível; essa é a fé que deriva diretamente, e é subordinada, ao dom supremo, o amor; e não a fé morta, sem obras, apoiada unicamente nos sinais e aparências espirituais.

Se desejamos potencializar e purificar a nossa fé, temos necessariamente de compreender, de uma vez por todas, que é o amor, e as obras dele, que devem dar sentido e inspiração para a nossa fé; e, uma vez nos tornando conscientes disso, teremos plenas condições de nos tornarmos um com o amor, pois o que se une ao Senhor é um mesmo espírito com Ele, de modo que nossa fé será sempre direcionada para manifestar o amor a Deus e ao próximo.

Lembre-se; foi por amor ao povo que Deus abriu o mar vermelho e fez tantas maravilhas; foi por amor que o SENHOR deu seu único filho para nos resgatar; foi por amor que Cristo ensinou, curou, alimentou, libertou e ressuscitou pessoas, foi também por amor que Jesus enfrentou a brutalidade e a dor da cruz, e até a morte; foi por amor a nós que o Mestre ressuscitou ao terceiro dia; tudo isso e muito mais foi realizado por amor. O amor é o centro do cristianismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c