Pular para o conteúdo principal

"Deixai os insensatos, e vivei..." Provérbios 9.6

 


"Deixai os insensatos, e vivei, e andai pelo caminho do entendimento." Provérbios 9.6

No momento em que escrevo esse texto o mundo está enfrentando uma pandemia causada por um vírus mutante totalmente desconhecido para o sistema imunológico das pessoas; o covid-19. Cientistas de várias nações perceberam a necessidade de desenvolver uma vacina eficaz, suficientemente segura para ser produzida em escala global, assim, se aprofundaram em esforços conjuntos de pesquisa para criar uma solução capaz de tornar as pessoas imunes a essa ameaça.

Mas o que é que isso tem a ver com Provérbios 9.6?

Na verdade, iniciei esse texto falando sobre o panorama do combate a esta pandemia para traçar um paralelo com outra "pandemia" que não está sendo devidamente combatida e tem assolado a humanidade há anos, mas que, aparentemente, está se tornando mais nociva do que já era  no passado, pois na sociedade, com raras exceções, a grande maioria das pessoas ainda não possui imunidade ao seu agente causador.

E que pandemia é essa?

A "pandemia" da insensatez causada pela influência do espírito do mundo.

De fato, a insensatez tem se espalhado no mundo, em meio a sociedade, com uma velocidade assombrosa; muito potencializada pelos efeitos multiplicadores da internet através, principalmente, das redes sociais. Com isso, multidões parecem estar perdendo completamente o bom senso, e voluntariamente, preferem disseminar todo tipo de pensamentos, opiniões, palavras e ações distorcidas a respeito de todas as coisas da vida com as quais têm contato.

Ser sensato(a) tem, cada vez mais, sido visto como uma espécie de fraqueza pessoal, ou demérito, pelas grandes multidões sociais, de modo que muitos indivíduos estão se agrupando em "manadas" cada vez maiores cujo objetivo principal é cultivar, propagar e perpetuar a insensatez que os une como se essa característica distorcida fosse um traço de evolução da nossa espécie ou prova de inteligência extraordinária; o que certamente não é.

O problema é que por causa dessa maneira de pensar essas manadas sociais também têm se multiplicando ao redor do planeta, elas estão se conectando com outras semelhantes e confrontando todas as que julgam ser contrárias ao seus ideais, ideologias e opiniões; e, esses confrontos, físicos ou virtuais, vão se acirrando e se tornando mais inflamados, ofensivos, agressivos, violentos, selvagens e dolorosos para todas as partes envolvidas.

Porém, o pior é que todo esse panorama alimentado pela insensatez da natureza animalesca humana também pode ser visto, sem esforço, acontecendo com a mesma mecânica e intensidade, dentro de congregações espalhadas por toda parte, onde várias pessoas estão demonstrando todos os sintomas da insensatez mundana.

E que sintomas são esses?

Pessoas "contaminadas pelo vírus" da insensatez, quer estejam fora ou dentro de congregações, desenvolvem um gosto estranho por criar confusões e contendas de qualquer tipo, assim como um desejo de fazer parte de grupos facciosos que produzam embates desde pequenos debates até grandes confrontos contra outros grupos, assim, cria-se um ambiente social, ou até mesmo congregacional, extremamente polarizado onde o que prospera é a batalha sem sentido de classes contra classes; igrejas contra igrejas, partidos contra partidos, torcidas contra torcidas, pessoas contra pessoas, grupos contra grupos e assim por diante.

Tais indivíduos, embora nunca admitam abertamente, perdem a capacidade de se colocar no lugar dos outros; se recusam terminantemente a ponderar qualquer assunto além dos limites do seu próprio entendimento; são intransigentes mesmo em questões completamente triviais; têm a mente e o estilo de vida apressado; querem que suas opiniões prevaleçam sobre as das demais pessoas ao redor; consideram-se senhores da razão; têm uma fixação por obter e exercer alguma forma de poder e controle sobre os demais, mesmo que seja apenas em seus pequenos grupos; não conseguem controlar a própria língua; confundem fé com megalomania, sucesso com excesso e abundância com desperdício; começam a acreditar firmemente em diversas ilusões criadas por eles mesmos, como a de que apenas eles são os portadores da verdade e representantes do bem supremo na terra enquanto todas as outras pessoas, grupos ou congregações são representantes e agentes do caos e do mal absoluto. 

Outros sintomas muito perceptíveis das pessoas que são acometidas pela "enfermidade" da insensatez é que elas nunca estão satisfeitas com a própria vida, são inquietas, se recusam a reconhecer os próprios erros; costumam ser fonte de escândalos; e principalmente, costumam esconder sua insensatez por trás de uma afirmação muito utilizada e conhecida, que é: Eu tenho personalidade forte! Você já ouviu alguém dizer isso?

Todas as vezes que um cristão legítimo escuta alguém declarar que tem personalidade forte, como se isso a colocasse em uma espécie de posição mais forte que os demais ou concedesse um grau maior de hombridade, algo que não acontece; o que os cristãos legítimos ouvem nas entrelinhas dessa afirmação é: Sou uma pessoa insensata!

Infelizmente muitos estão achando que essa é a maneira certa de viver na sociedade moderna, e isso não é surpresa visto que o espírito do mundo usa diversas ferramentas e estratégias para incitar a sociedade a proceder dessa maneira, mas o que eles não percebem é que a sua própria insensatez é justamente o que está desgastando, criando todo tipo de atrito e ruído, interno e externo, em todas as áreas da vida deles, impedindo que vivam bem, ou seja, que consigam construir uma vida sob medida em todos os aspectos físicos, mentais e espirituais. Foi justamente por esse motivo que o Espírito Santo usou os escritos de Provérbios 9.6a para transmitir esse valioso ensinamento; a saber:  "Deixai os insensatos, e vivei...".

Basicamente a essência desse versículo é: "Quem quiser viver bem, afaste-se dos insensatos". Simples assim.

Ninguém que cultive a insensatez será capaz de experimentar uma vida plena, mesmo que conquiste todas as vitórias e tesouros sociais, pois os insensatos caminham por trilhas tortuosas em que o entendimento não os acompanha, dessa forma todas as suas vitórias e medalhas sociais tornam-se sem sentido e enfadonhas para eles logo após as conseguirem; como já foi dito por um filósofo romano chamado Sêneca: "A insensatez é sempre perturbada pelo enfado de si mesma."; ao contrário dos verdadeiros cristãos que, ao conscientemente se afastarem da insensatez da sociedade passam a trilhar um caminho diferente da manada, um caminho de entendimento verdadeiro, como também está claramente registrado em Provérbios 9.6: "Deixai os insensatos, e vivei, e andai pelo caminho do entendimento." ou seja: "Quem quiser viver bem, de maneira plena, sob medida, afaste-se dos insensatos, e assim vocês trilharão o caminho do entendimento.".

Dessa maneira criaremos em nossa mente e em todo o nosso procedimento um círculo virtuoso que nos "vacinará" e imunizará contra os efeitos do caos provocado pela manada de pessoas insensatas que diariamente nos rodeiam tão de perto. De fato, quanto mais nos desvencilharmos da insensatez da sociedade, mais a nossa própria insensatez se enfraquecerá e quanto mais fraca nossa insensatez natural estiver, menos espaço em nossos atos, palavras e pensamentos será ocupado por ela, logo, haverá mais espaço em nosso interior para que o entendimento brote, floresça e frutifique adequadamente; e quanto mais espaço dermos ao entendimento mais ele apoiará a sabedoria que, em última análise é o principal objetivo dos cristãos para ser utilizada de modo prático afim de colaborar com a fé para aperfeiçoar todas as coisas da vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c