Pular para o conteúdo principal

"...Apascenta as minhas ovelhas". João 21.16

 


"Tornou a dizer-lhe segunda vez: Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta as minhas ovelhas." João 21.16

Como procedem os verdadeiros pastores de Cristo dentro das mais diversas congregações? Como distingui-los em meio a multidão?

Não é preciso fazer muito esforço para perceber que a sociedade escolheu o caminho da loucura; multidões inteiras, bilhões de indivíduos, estão mais frenéticos, agressivos, violentos, ambiciosos, egocêntricos, impetuosos e selvagens do que nunca. Pessoas de absolutamente todos os grupos sociais estão, voluntária ou involuntariamente, passando por um processo de aceleração mental, comportamental, e até espiritual, vertiginoso que os está deixando em frangalhos, mas que se recusam a interromper, pois lhes foi prometido que tal processo de frenesi e aceleração é o que os levará às grandes vitórias sociais que o Ego(carne) que há neles tanto deseja e sonha alcançar.

Assim, a insanidade social (insensatez, raiva, megalomania e etc...) ganhou ainda mais força e começou a levar as pessoas ao extremo de suas emoções, vaidades e paixões, criando todo tipo de contendas, conflitos e guerras entre os indivíduos e seus grupos; o problema é que um desses grupos é justamente o de pessoas que alegam conhecer e servir a Cristo dentro das mais diversas congregações, mas que não possuem qualquer amor verdadeiro dentro de si. E uma parte desse grupo é formada por líderes, pessoas que reivindicam sobre si o título de pastor(a), sem compreender plenamente o que tal responsabilidade significa.

E o que é que tal responsabilidade significa?

No texto de João 21.17 Jesus, com uma simples frase, define perfeitamente toda a função e a responsabilidade que Deus delegou aos pastores que o amam de verdade. Ele diz: "Se tu me amas apascenta as minhas ovelhas".

Em um nível natural e superficial de entendimento, a palavra apascentar significa cuidar, conduzir e vigiar, mas se aprofundarmos nossa observação dessa palavra para um nível mais essencial perceberemos que ela possui um significado maior por trás daqueles outros, um significado que conecta tal palavra diretamente com o próprio Deus.

E que significado é esse?

Quando Jesus diz a Pedro para ele apascentar as ovelhas, o que o Mestre está realmente pedindo é:

"Pedro, se tu me amas, acalma e pacifica o meu rebanho."

Ou seja, o significado mais profundo da palavra apascentar é: Acalmar e pacificar; de modo que essa é a principal função social dos verdadeiros pastores para com as ovelhas do rebanho que Deus confiou a eles, principalmente nos dias atuais nos quais as pessoas se tornaram tão inquietas e belicosas.

É claro que não podemos nos esquecer que a principal função espiritual dos verdadeiros pastores de Cristo é ensinar e ajudar as ovelhas para que compreendam e pratiquem os ensinamentos, mandamentos e preceitos divinos em suas vidas, assim como desenvolvam plenamente as magníficas virtudes do Amor supremo, virtudes como a fé, a alegria, a felicidade, a justiça, a nobreza, a moderação, a confiança e tantas outras; porém, todo pastor verdadeiro compreende que a maneira mais adequada como devem conduzir as ovelhas é sempre zelando para que elas estejam, e permaneçam, calmas e pacificas, tanto, cada qual consigo mesmo, como umas com as outras, e também com as demais pessoas que co-habitam com elas na sociedade, e isso em qualquer situação e sob quaisquer circunstâncias, pois foi escrito em Romanos 12.18: "...Quando depender de vós, tende paz com todos os homens.".

Uma mente calma e pacífica é uma das principais características dos verdadeiros cristãos, sejam eles membros, e, principalmente dos líderes do rebanho, pois uma vez que estão em posição de liderança (pastoreando as ovelhas) precisam ser exemplo de boas obras em todas as questões da vida; tal como o apóstolo Paulo ensinou a Tito no texto registrado em Tito 2.7, que diz: "Em tudo, te dá por exemplo de boas obras..."; de fato, pensamentos, palavras e ações calmas e pacíficas são grandes evidências de que tais pessoas são realmente filhos do Deus Altíssimo, porque foi dito em Mateus 5.9: "Bem aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.". Assim sendo, uma das maneiras mais simples de identificarmos os pseudo-cristãos, sejam eles líderes ou membros, para nos afastarmos deles, é observando atentamente as palavras e ações deles, pois foi escrito em Mateus 7.20: "...Pelos seus frutos os conhecereis.".

Se esses tais forem pessoas frenéticas, aceleradas, que gostam de contendas, facciosas, inquietas, impacientes; isso significa que não há calma na mente deles nem paz no seu espírito; muito embora eles se esforcem bastante para fingir dissimuladamente que possuem tais virtudes para que possam enganar os desavisados que estejam ao seu redor, porém, qualquer um que esteja atento(a) será capaz de enxergar a verdade prestando atenção nos pequenos e sutis detalhes que eles deixam escapar, sem perceber, em suas palavras e ações.

Tais indivíduos que fingem possuir paz e calma no intuito de conduzir outros à ruína, são também aqueles aos quais a Escritura Sagrada se refere em Jeremias 6.14, ao dizer: "E curam superficialmente a ferida da filha do meu povo dizendo: Paz, paz; quando não há paz.". Homens e mulheres que afirmam ter paz interior, mas que falam, pregam e lutam de formas cada vez mais selvagens contra tudo e contra todos.

Lembre-se que foi a Pedro que Jesus disse "Apascenta as minhas ovelhas", ou seja, acalma e pacifica o meu rebanho; e isso foi algo tão marcante para aquele apóstolo que na 1 carta de Pedro 3.11 ele dá a seguinte recomendação a qualquer um que deseje compreender a essência do que é ser cristão; ele diz: "...Busque a paz, e siga-a.". O ponto central de reflexão aqui é que não existe cristianismo verdadeiro sem que a pessoa tenha paz de espírito e uma mente calma; qualquer um que afirmar o contrário ainda não compreendeu a essência das palavras e dos exemplos de Cristo.

Líderes, membros e congregações inteiras lutando entre si e, ou, contra outros líderes, membros e congregações, definitivamente é algo que não faz parte do verdadeiro cristianismo; da mesma forma que fazer tais coisas contra os mais diversos grupos e tribos sociais, mesmo que sejam anti-cristãs é algo que os verdadeiros cristãos jamais farão, pois a paz e a calma dentro deles os torna imunes a todas as provocações e ataques que o espírito do mundo pode usar os indivíduos da sociedade para lançar sobre os verdadeiros servos de Jesus.

O verdadeiro cristianismo parte sempre de um espírito pacifico e pacificador, que por sua vez frutifica em uma mente calma (mansa); este é o motivo pelo qual os verdadeiros pastores e líderes cristãos se esforçam tanto para apascentar o rebanho, porque uma vez que as ovelhas aprendam a nutrir e se beneficiar de um espírito pacífico e de uma mente calma, todo o resto da vida deles será muito mais leve, mesmo naquelas situações extremas. Agora você sabe porque os cristãos como Paulo e muitos outros conseguiram passar através de tantas injustiças como prisões, perseguições, apedrejamentos e muito mais durante os séculos, de modo que nenhuma dessas maldades e injustiças as quais eles foram expostos jamais conseguiram abalar a paz no espírito deles, nem tampouco a calma que nutriam em sua mente; e sabendo disso percebemos o quão importante e necessário, atualmente, é o mandamento de Jesus para que os verdadeiros pastores acalmem e pacifiquem o rebanho, porque tal paz e tal calma é o que tornará cada uma das ovelhas em indivíduos inabaláveis contra todas as intempéries da vida e da sociedade.

Foi exatamente por isso que o próprio Jesus, em Mateus 11.29, disse certa vez: "...Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrarei descanso para a vossa alma."; em outras palavras o que o Mestre estava ensinando é: "Se vocês tiverem um espírito como o meu, a mente de vocês será calma e o coração de vocês será humilde, assim a vida de vocês será mais leve.".

E como é o Espírito de Cristo?

Isaías 9.6 revela ao dizer: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.". Cristo é o Príncipe da Paz, logo o Espírito Dele é pacífico e pacificador, por isso Paulo escrevendo aos cristãos o texto registrado em Romanos 8.6, disse: "Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz."; e, apascentando aos cristãos de Éfeso ensinou o que está escrito em Efésios 4.3, que diz: "Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vinculo da paz.". Espero que você já tenha compreendido que o cristianismo verdadeiro está intimamente ligado a um espírito pacífico e a uma mente calma, pois isso vai gerar inúmeros efeitos benéficos em você e ao seu redor.

O espírito de absolutamente todo cristãos(ã), principalmente os que estão à frente do rebanho é apaziguador, agregador, tranquilizador e unificador; ao contrário do que muitos tem demonstrado ao ostentar, com orgulho, um espírito faccioso, intransigente, radical e litigioso, entre muitas outras coisas semelhantes a essas.

Os verdadeiros líderes cristãos, os verdadeiros pastores de Cristo, são aqueles cuja vida está comprometida a ensinar as ovelhas a cultivar a verdadeira paz de espírito, pois sabem que tal paz é soberana, uma vez que ela também é o próprio Deus, como Juízes 6.24 afirma ao relatar: "Então, Gideão edificou ali um altar ao SENHOR e lhe chamou SENHOR É Paz...".  Assim sendo, verdadeiros líderes cristãos são, por natureza, pacíficos, pacificadores e pacifistas; devemos ter isso muito claro em nosso entendimento, pois essa é a forma de conseguirmos reconhecê-los em meio a uma multidão cada vez maior que está tentando de tudo para subverter essa verdade e arrastar milhões de velhas para uma vida repleta de batalhas e guerras completamente sem sentido, muitas das quais eles dizem ser santas; mas todo cristão verdadeiro sabe que não existe guerra santa, pois santa é a paz.

Jamais se esqueça do maravilhoso conselho do apóstolo Pedro; "...Busque a paz, e siga-a..." ou seja, siga apenas as pessoas, homens ou mulheres, que efetivamente demonstrem ter a paz em suas palavras, objetivos e ações; pois esses sim são os reais pastores de Cristo e ajudarão você a encontrar águas tranquilas mesmo em meio a uma sociedade cada vez mais tempestuosa e caótica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista