Pular para o conteúdo principal

“Não sejas sábio a teus próprios olhos...” Provérbios 3.7a



“Não sejas sábio a teus próprios olhos...” Provérbios 3.7a

Por que ser sábio(a) aos próprios olhos é algo tão perigoso?

Particularmente considero que a sabedoria é a única posse que toda pessoa deveria procurar adquirir para desenvolver em si mesmo, principalmente porque ela não é apenas uma mera posse, mas sim uma valiosa virtude capaz de solucionar todas as demandas e necessidades da vida de qualquer um; além disso, uma vez adquirida, a sabedoria jamais te abandonará e ninguém poderá tirá-la de você, pois ela se funde a nossa mente e coração, passando a ser parte integrante de nós. Eu acredito que este é um dos motivos da Escritura Sagrada nos ensinar o que está escrito em Provérbios 4.7: "A sabedoria é a coisa principal; adquire, pois, a sabedoria...".

Se uma pessoa investisse apenas 30% do tempo e do esforço que geralmente desperdiça em suas buscas e jornadas convencionais, para adquirir e cultivar a verdadeira sabedoria; esse tal já teria alcançado tudo aquilo que mais necessita para desfrutar de uma vida plena, abundante, serena e sem os excessos e extravagâncias que têm machucado, como espinhos, a maioria das pessoas. Qualquer um que realmente tivesse investido, por exemplo, nos últimos dez anos, 30% do seu tempo e esforço para conhecer profundamente, abraçar e cultivar a sabedoria, já teria alcançado um estilo de vida muito mais leve, produtivo, eficiente e equilibrado, fisicamente, mentalmente e espiritualmente; como Salomão deixa claro em Provérbios 4.6-9, ao dizer:

"Não desampare a sabedoria, e ela te guardará; ama-a, e ela te conservará. A sabedoria é a coisa principal; adquire, pois, a sabedoria; sim, com tudo o que possuis, adquire o conhecimento. Exalta-a, e ela te exaltará; e, abraçando-a tu, ela te honrará. Dará à tua cabeça um diadema de graça e uma coroa de glória te entregará."

Os sábios compreendem que ao se dedicarem, diariamente, mais ao cultivo da sabedoria do que aos cuidados deste mundo, das vaidades, ambições e paixões pessoais, profissionais e sociais; eles acabam tendo acesso às oportunidades verdadeiramente valiosas e enriquecedoras em todas as áreas de sua existência, de uma maneira que conseguem desfrutar adequadamente de todas as boas coisas e oportunidades que estão ao redor, muitas das quais são completamente ignoradas pelas outras pessoas; assim como são capazes de extrair grandes aprendizados e benefícios de circunstâncias e situações adversas. Como o filosofo romano Sêneca disse certa vez: Um sábio é imune aos infortúnios.

A sabedoria ajudará qualquer um que se aplique em cultivá-la a usufruir de tudo sem se apegar a nada; a ser atacado, mas não ser ferido; ou, ser atingido, mas não abalado; a viver no mundo sem ter de fazer parte dele; a estar em sociedade sem ser capturado por nenhum dos enganos, mecânicas distorcidas e armadilhas que o espírito do mundo plantou nela e tem usado para escravizar a mente o coração dos indivíduos.

E qual é o primeiro passo para qualquer pessoa que deseja começar a cultivar a sabedoria, para ter acesso a estes e tantos outros benefícios?

O primeiro passo, e o mais importante, é exatamente o que Provérbios 3.7a revela quando diz: “Não sejas sábio a teus próprios olhos...”.

Nunca houve em nenhuma época do passado tantos tolos considerando a si mesmos como sábios quanto existe nos dias atuais; eles espalham e pregam suas tolices como se fossem pérolas de sabedoria, e, muitas vezes, confrontam-se uns contra os outros tentando provar, tanto para eles próprios como para quem está ao redor deles, que possuem mais valor e maior "sabedoria" do que seus concorrentes e adversários. Estes são comportamentos que os verdadeiros sábios jamais adotam.

Infelizmente, vários destes falsos-sábios são seguidos por multidões tanto na dimensão física quanto na virtual; eles influenciam a massa de seguidores que possuem para que se comportem de maneira semelhante e também comecem a ver a si mesmos como sábios. Mas o que nenhum destes indivíduos compreende é que enxergar a própria sabedoria é a principal característica, e maior fraqueza, dos tolos. A base de todas as ignorâncias.

O cristianismo se baseia, sustenta e frutifica através da fé, mas é através da sabedoria que ele floresce adequadamente, de fato, a fé produz a sabedoria e a sabedoria gera atos (pensamentos, sentimentos, emoções, palavras e obras) que aperfeiçoam a fé. Note como em todos os relatos sobre a jornada de Jesus descrita nos Evangelhos fica claramente demonstrado que o Mestre fazia uso constante tanto da fé quanto da sabedoria para tocar o coração das pessoas e ensinar a Verdade de uma forma extremamente efetiva; esse é um dos motivos de sermos inspirados e ensinados tantas vezes pela Escritura Sagrada a buscar, adquirir e abraçar a sabedoria, pois sem ela, muitas pessoas de fé já foram confundidas, ou confundiram a si mesmos, simplesmente porque gastaram muito tempo admirando e tentando provar para os outros que eram sábios.

Os cristãos verdadeiros cultivam a sabedoria olhando para dentro do próprio coração, mente e vida, usando as Escrituras Sagradas para lançar luz sobre eles de modo que possam ver claramente as próprias tolices, pois assim são capazes de examiná-las diligentemente e aprender como evitá-las ou eliminá-las. O caminho para a sabedoria é edificado sempre que somos capazes de ver nossas próprias tolices (internas e externas), enquanto o caminho para a tolice é revelado quando alguém enxerga a própria sabedoria.

E por quê?

Porque enxergar a própria sabedoria turva nossa mente, desfoca nossa visão e, por fim, infla o nosso coração com indiferença, orgulho, soberba e arrogância, devidamente dissimulados, de modo que perdemos a capacidade de lidar adequadamente com as coisas do cotidiano, tanto as banais quanto as mais decisivas; assim como, com as pessoas que cruzam o nosso caminho. Além disso, nos tornamos cegos e estéreis espiritualmente, perdemos a fé, nos perdermos na nossa jornada, e nos afastamos de Deus, mesmo que estejamos congregando, ou até mesmo liderando, uma congregação. Todo aquele que é sábio aos próprios olhos se torna prisioneiro da própria tolice, não importa quão aparentemente privilegiada seja a sua posição ou quão desenvolvido seja o seu intelecto. 

Você se lembra dos escribas e dos fariseus, boa parte deles enxergava a própria "sabedoria", mesmo quando estavam diante do próprio Jesus que é a personificação da Sabedoria Absoluta e Suprema de Deus, eles não eram capazes de reconhecer as próprias tolices tanto nas coisas físicas quanto nas espirituais, de modo que foram duramente repreendidos pelo Cristo que revelou que eles não eram sábios, mas sim hipócritas e nojentos; como demonstrado no texto de Mateus 23.27, que diz: "Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Pois sois semelhantes a sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e toda a imundícia.".

Ainda hoje, esse é o panorama da existência de todos aqueles que são sábios aos próprios olhos, eles tentam desesperadamente, e às vezes até conseguem criar uma imagem externa de que são sábios, mas tudo o que produzem em seu interior é apenas uma grande torrente de tolices, e quando digo tolices, estou me referindo aos desvios, inquietações, loucuras, falatórios, contendas, enganos, imprudências, precipitações, fantasias, vaidades, paixões, ambições e muitas outras coisas semelhantes a estas.

Durante toda a história humana diversos indivíduos concentraram-se em ver a própria "sabedoria" e, todos, foram abatidos, de alguma maneira, pela vida; isso aconteceu com reis, imperadores, políticos, generais, guerreiros, conquistadores, líderes, liderados, atores, professores, personalidades, pensadores, profetas, pregadores, filósofos, atletas, empreendedores e absolutamente todos os tipos de pessoas. Todos eles puderam comprovar a veracidade do alerta que foi escrito em Isaías 5.21, que diz: "Ai dos que são sábios a seus próprios olhos e prudentes diante de si mesmos!".  

No momento em que uma pessoa começa a achar que é sábia, este é o momento em que as colunas da vida dela começam a ruir, e se ela continuar insistindo em suas tolices disfarçadas, sua queda será devastadora. Por este motivo, ser sábio aos próprios olhos é tão perigoso.
   


Comentários

  1. muito proveitoso o estudo sobre sabedoria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Obrigado por comentar.
      Que Deus te dê sabedoria de modo que você consiga se desvencilhar de todas as ilusões internas e externas que têm aprisionado a humanidade.
      Grande abraço.
      Seja feliz.😊💖

      Excluir
  2. Estava pesquisando sobre o tema e encontrei este estudo... muito edificante. Deus abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pastor Alex!
      Sinto-me lisonjeado com o seu comentário. Obrigado por deixá-lo aqui.
      Fico contente em saber que o texto foi útil a você de alguma maneira. Louvo a Deus por isso.
      Que a sabedoria de Cristo produza cada vez mais clareza, consciência e lucidez de pensamento, e de fé, em você, e em todos ao seu redor.
      Grande abraço.
      Felicidades.😃💖

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c

“Lança o teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás.” Eclesiastes 11.1

“Lança o teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás.” Eclesiastes 11.1 Imagine por um instante que você está parado junto à margem de um grande e caudaloso rio, no qual, as águas passam por você ininterruptamente em grande volume. Agora imagine que em sua mão há uma cesta de pães de onde você retira alguns deles e gradativamente lança sobre as águas, um após outro. O que acontecerá com todos os pães que você jogar no rio? Exatamente isso que você imaginou. Todos são rapidamente levados para longe de você pela correnteza. E qual é a chance de você encontra-los novamente? Praticamente nenhuma. Mas porque criei toda essa visualização mental afinal de contas?  Para que você compreenda com mais facilidade a analogia utilizada por Salomão em Eclesiastes 11.1. O fato é que toda aquela visão mental que acabei de descrever é a forma como os cristãos compreendem a "mecânica" das boas obras. Como assim? A vida é como um grande rio e a corre