Pular para o conteúdo principal

“...Não seja como eu quero, mas como tu queres.” Mateus 26.39



“...Não seja como eu quero, mas como tu queres.” Mateus 26.39

Eis aqui um dos maiores desafios de muitas das pessoas que frequentam congregações atualmente, tanto líderes quanto membros, tanto cristãos genuínos quanto, principalmente, pseudo-cristãos, possuem alguma dificuldade de viver, na prática, a essência destas palavras de Cristo, ou seja, abdicando completamente das vontades, ambições e sonhos que possuem em seu interior mais profundo, para se entregar, sem reservas, à vontade completa e absoluta do Espírito do Pai para a existência deles; pois como está escrito em Gálatas 5.17: "...A carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis.".

A diferença é que o estilo de vida dos cristãos verdadeiro consiste no fato de que são capazes de identificar claramente estas vontades e inclinações do próprio ventre (da própria carne) e, mesmo com alguma dificuldade, conscientemente e intencionalmente, desistem delas para viver segundo o desejo, os interesses e a vontade de Deus para a vida deles, mesmo que não compreendam o território pelo o qual o SENHOR os está guiando ou o lugar para o qual estão sendo levados; cristãos genuínos conseguem abrir mão do próprio querer para abraçar o querer de Cristo. Por isso Davi, que tinha o coração como o de um cristãos, como o próprio Deus deixa claro em Atos 13.22, quando diz: "...Achei a David, filho de Jessé, varão conforme o meu coração, que executará toda a minha vontade."; declarou certa vez: "Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam." Salmo 23.4. 

Davi sabia que ao renunciar o querer do próprio ventre (da própria carne), os desejos, ambições, sonhos e vontades que ele possuía para a própria vida, para viver de acordo com o que Deus queria para ele, isso poderia significar uma vida completamente diferente daquela que ele havia idealizado para si. Ao escolher obedecer o vontade de Deus ele sabia que poderia passar por situações difíceis, circunstâncias inusitadas, confrontos duros, ocasiões perigosas, longas noites sombrias e muito mais; mas nada disso era importante, pois o único desejo genuíno do coração daquele homem era cumprir a carreira que o SENHOR havia proposto para ele, por este motivo não temia ao deixar seu ego de lado para se submeter às direções do Criador.

Não por acaso vemos uma determinação espiritual, mental e física muito semelhante no próprio Cristo naquela noite sombria em que Ele, orando disse: “...Não seja como eu quero, mas como tu queres.” Mateus 26.39; Jesus sabia que o que viria pela frente seria duro e difícil de enfrentar, mas o mais importante para Ele era apenas cumprir o desejo do Pai, pois sabia que isso redundaria em uma grande redenção. Jesus sabia que aquela missão era adequada para a vida Dele, e jamais se esquivaria dela, mesmo que todos o abandonassem. De igual maneira, procedem os cristãos verdadeiros, nos dias atuais, em todas as questões referentes ao seu cotidiano; para eles o mais importante não é viver segundo o que eles idealizaram para si, ou como a sociedade espera que vivam, mas sim segundo a verdadeira vontade do Pai, mesmo que ao fazer isso, passem a ser ignorados por seus pares, desvalorizados pelos amigos; mesmo que não recebam nenhuma fama, não alcancem nenhum status, ou sejam levados a se afastar das vitórias e tesouros que a humanidade mais admira nos indivíduos.   

Por outro lado, o estilo de vida daquelas pessoas que fazem questão de frequentar uma congregação apenas por sua própria conveniência ou por seus próprios interesses, e que não fazem tanta questão de conhecer profundamente o Criador-de-todas-as-coisas, poderia facilmente ser resumido a uma oração semelhante àquela que Jesus fez em Mateus 26.39, porém, invertida; algo como: "Pai, não seja como tu queres, mas como eu quero."; por este motivo também foi escrito em Filipenses 2.21: "Porque todos buscam o que é seu e não o que é de Cristo Jesus.", ou seja. Eles não têm coragem de admitir que, no fundo, estão sempre mais preocupados em buscar os próprios desejos, tampouco se permitem reconhecer que o que mais querem na vida e serem servidos, e não servir;  o mais comum nestes casos é que se tornem pessoas dissimuladas, falam, pregam e escrevem sobre como se deve aceitar e viver a vontade de Deus na vida, mas subliminarmente o tema central de tudo o que pensam, falam e fazem é encontrar uma maneira de fazer Deus se dobrar às vontades deles.

A vida destas pessoas já foi e continua sendo milimetricamente planejada por eles mesmos e suas orações giram em torno de coisas como: 

*SENHOR quero morar em determinado tipo de casa, com tantos cômodos, com tal tipo de vista da janela, nesse local específico da cidade.
*SENHOR da-me este modelo de carro, de determinada cor e ano.
*Pai, aumenta em tantos porcento a quantidade de membros da congregação que lidero; aumenta também de X para Y a quantidade de cidades aonde minha congregação está presente.
*Deus desejo conhecer e casar com este tipo de pessoa, que tenha esta aparência, que possua uma ocupação assim e assim.
*Até determinado tempo da minha vida desejo já ter feito isso, desejo possuir aquilo, alcançado tal patamar.

Acho que você já compreendeu, não é? 

Eles não deixam nenhum espaço para que Deus decida nem direcione qualquer coisa na vida deles, não estão muito abertos a negociação e ainda dizem que, em tudo, estão buscando atender os desejos de Deus.

E por que fazem isso?

Porque sentem um profundo medo de que a verdadeira vontade de Deus para eles não seja tão "boa" quanto as aspirações, que insuflados pela sociedade, almejam para si. Eles pensam coisas como:

*Eu quero ser empresário(a); mas e se Deus quiser que eu seja apenas um vendedor(a) de sapatos?
*Eu quero ser um pastor(a) reconhecido(a), mas e se Deus quiser que eu seja apenas um membro anônimo(a)?
*Eu quero que a congregação que lidero seja a maior de toda a cidade, mas e se Deus quiser que ela não seja nem a maior do bairro?
*Eu quero casar com fulano(a), mas e se Deus sabe que tal pessoa não é a mais apropriada para eu unir a minha existência?
*Quero ser multimilionário, mas e se Deus quiser que eu tenha apenas uma vida de conforto e abundância mediana?
*Eu quero que as coisas sejam de determinada maneira, mas se eu realmente orar para que Deus faça a vontade Dele na minha vida, certamente Ele fará tudo diferentemente do que eu quero.

Tais pessoas acreditam que a vontade de Deus para a vida deles não pode ser "menor" do que a vontade que eles mesmos possuem para si, logo, com medo de que esse seja o caso, com medo de que que Deus lhes revele que não quer que eles  sejam admirados, invejados, líderes, poderosos, empresários, bilionários, super astros, e etc... Simplesmente evitam ao máximo fazer aquela oração de Jesus ou qualquer variação dela, a saber: "...Não seja como eu quero, mas como tu queres.”; pois não suportariam ver outras pessoas vivendo a vida e alcançando os sonhos que eles tanto querem possuir enquanto eles se veem forçados a viver em níveis que consideram inferiores, segundo a percepção distorcida que possuem de si mesmos e de suas capacidades que deveriam sempre ser mais valorizadas e bem recompensadas por todos e principalmente pelo Criador.

Na visão destas pessoas seria um grande desperdício de talentos, dons e fé se a vontade de Deus for que eles vivam vidas simples e "ordinárias"; pois do "alto" de seu narcisismo, devidamente maquiado de espiritualidade, consideram que é claro, e todos deveriam saber que, eles nasceram para liderar, nasceram para vencer, nasceram para ocupar as posições sociais de destaque e para adquirir e acumular uma grande quantidade de tesouros sociais, com os quais pretendem provar por A+B, para os que os rodeiam e para todos os incrédulos, que o SENHOR os está abençoando.

Esses homens e mulheres estão convencidos de que as virtudes que possuem e a maneira como as utilizam podem gerar imenso impacto em favor do cristianismo, portanto, na mente deles, "pelo bem da fé cristã", resolvem não arriscar seguir a vontade de Deus, passam a ignorar, dissimuladamente, o desejo do Criador para eles e seguem em frente no que eles mesmos querem, pois eles querem ser como Paulo e não como Tomé, porque consideram, embora não digam abertamente, que a vida cristã do segundo foi inferior a do primeiro; querem ser como Ester e não como Maria Madalena; querem ser como Isaías e não como Jonas; como Débora e não como a Samaritana da fonte de Jacó. Em outras palavras, criam para si uma farsa e tornam-se personagens ficcionais de si mesmos, passam a viver uma existência de atuação, com uma personalidade falsa, fingindo ser quem não são, mesmo que isso esteja causando inúmeras dores mentais e espirituais; fingem ser Pedro caminhando sobre as águas e o filho sensato e fiel, mas no fundo assemelham-se muito mais com Pedro negando a Cristo três vezes e com o filho pródigo que confrontou a vontade do pai para seguir seus próprios desejos.

O problema óbvio com isso é que quando ignoramos o que Deus deseja para nós e embarcamos em nossas próprias tolices fantasiosas, infantis e apaixonadas para perseguir o que queremos, embora até sejamos capazes de disfarçar muito bem para todos ao nosso redor, logo notaremos que nossa existência vai começar a se desalinhar, mesmo que consigamos tudo o que nosso ventre deseja, o que a sociedade chama equivocadamente de sucesso. Nossa harmonia, interior e exterior, se desfará, ficaremos à deriva e vulneráveis a todas as ondas de frenesi pseudo-espiritual e aos ventos de doutrinas religiosas que quebram e sopram nas congregações e na própria sociedade; assim como também nos colocaremos em uma posição na qual poderemos ser facilmente afligidos pelas tempestades de loucuras, caos, angústias, estresse, depressão e tudo mais que está devastando os indivíduos atualmente de forma assombrosa.

Quando Jesus disse: "...Não seja como eu quero, mas como tu queres.”, O que ele estava dizendo também era: Pai o que o SENHOR decidir para mim eu cumprirei. Ou seja, Cristo estava nos ensinando que, embora pareça contraditório, a única maneira de realmente trilharmos o nosso verdadeiro caminho na terra é justamente nos desapegarmos do nosso próprio querer para seguir as determinações, direções e decisões do Pai para nós, do contrário viveremos uma vida socialmente bem vista e bem sucedida, porém extremamente confusa que acabará fazendo com que nos percamos pelo caminho; por isso também foi escrito em Mateus 16.25-26 que: "...Aquele que quiser salvar a sua vida perdê-la-á, e quem perder a sua vida (abrindo mão do seu querer) por amor de mim achá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?..." 

Temos a tendência a sempre querer seguir nosso próprio desejo e ignorar o de Deus porque gostamos de fingir que temos toda a nossa vida sob controle, devidamente domesticada, mas ignoramos o fato de que há incontáveis variáveis no passado, no presente e no futuro, que desconhecemos completamente, variáveis essas que influem e impactam diretamente sobre nossa existência, logo, todo cristão verdadeiro sabe que acreditar que temos qualquer capacidade de decidir o que é melhor para nossa vida não passa de uma tênue, porém persistente ilusão que o espírito do mundo impôs à humanidade e que as pessoas gostam de acreditar que é verdade.

A verdade é que nada na nossa vida está sob nosso controle, as coisas nunca estão sob o nosso controle, nem mesmo as coisas mínimas; nossa visão é muito curta e míope, nosso pensamento é muito linear e binário, nossa percepção é muito imprecisa e falha, nossas paixões são muitas e violentas, nossa vaidades são extremamente viciantes, nosso coração é muito dobre, e muito mais. Precisamos entender isso claramente e perguntar a nos mesmos: Como eu posso achar que o meu desejo é bom em todas as coisas quando possuo uma visão e uma compreensão tão limitadas sobre tudo em mim e ao meu redor; assim como, tantas falhas e fraquezas severas dentro da minha mente e coração? Eis o motivo pelo qual os sábios lutam para seguir o desejo e o querer do Pai Celestial para eles, abrindo mão de si mesmos, pois Deus consegue ver o que eles não são capazes, Deus conhece o que eles não fazem ideia, o Criador está diante e no controle de absolutamente todas as variáveis que possam influenciar e impactar a nossa existência, só Ele tem a visão do todo e pode nos guira com segurança por este imenso labirinto que chamamos de vida.

Noventa porcento da nossa própria vida ocorre totalmente fora do nossa vista, da nossa consciência e da nossa compreensão; portanto, torna-se extremamente importante temos pelo menos este conhecimento para que possamos usar a fé em Cristo Jesus e na forma como Ele deseja governar nossa existência da maneira mais adequada que redundará numa vida leve, pacífica, realizada, satisfeita, alegre, feliz e muito mais.  Quando vivemos e oramos, conscientemente, como Jesus demonstrou em "...Não seja como eu quero, mas como tu queres.”, estamos deixando claro para nós mesmos, para a nossa carne corrompida, que reconhecemos que apenas Deus conhece o resultado futuro dos nossos atos de hoje, somente Ele sabe como nossas palavras ecoarão no amanhã, apenas o Criador tem o poder de manusear perfeitamente, orquestrando todas as variáveis que nos rodeiam, variáveis sociais, pessoais, financeiras, econômicas, profissionais, sentimentais, espirituais e outras tantas ainda maiores do que estas, de maneira a realmente nos favorecer. 

Quando paramos de fingir e realmente nos curvamos diante do desejo e do querer verdadeiro do Altíssimo para nossa vida, quando abandonamos as máscaras que nós mesmos forjamos e as fantasias que nós mesmos confeccionamos, quando abrimos mão de praticarmos orações egoístas, egocêntricas, narcisistas e megalomaníacas, quando tiramos nosso coração de dentro das ilusões sociais do espírito do mundo, quando nos desapegamos do querer social do nosso ventre; nos tornamos sábios, e o resultado disso é que, quer Deus nos coloque em uma posição de destaque ou não, certamente viveremos com uma harmonia física, mental e espiritual que aqueles que ainda estão lutando para alcançar os próprios desejos sociais não são capazes nem mesmo que conceber que exista; e isso é exatamente o que nosso Pai Celestial quer para você. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c