Pular para o conteúdo principal

“Por que está abatida, ó minha alma...?” Salmo 42.5A



“Por que está abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim?” Salmo 42.5A

Uma quantidade gigantesca de pessoas atualmente está sendo abatida tanto na sociedade quanto dentro das congregações, e eles nem mesmo sabem que isso está acontecendo, embora a maioria consiga sentir os sinais que a alma apresenta quando isto começa a acontecer; sinais como infelicidade, insatisfação, tristeza e as tendências depressivas que estão se espalhando atualmente. Passam a andar pela vida como se estivessem perdidos em uma floresta enevoada e cada vez mais sombria.

É comum tais pessoas sentirem-se desmotivados com a vida que possuem, não conseguem se inspirar, embora consigam fingir muito bem, internamente estão sempre descontentes achando que falta algo que não sabem o que é, ou acreditam que conseguirão encontrar na próxima compra, na próxima aquisição, na próxima realização, na próxima meta, no próximo relacionamento, no próximo emprego, na próxima viagem, na próxima igreja, etc... Isso tem acontecido com todos os tipos de pessoa, mesmo com aqueles que são extremamente abastados e “bem sucedidos” sob a ótica distorcida da sociedade mundana.

Estes homens e mulheres vivem em constante aflição interna, e quanto mais eles fazem, quanto mais coisas adquirem, quanto mais se dedicam a alcançar tudo o que a sociedade lhes diz para perseguir, quanto mais se curvam tentando satisfazer as próprias paixões e vaidades, mais profunda essa aflição interna fica. Há muitos séculos atrás o rei-sábio Salomão foi capaz de perceber que isso havia acontecido na própria vida dele; eis o que ele relatou: "E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito; e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito..." Eclesiastes 2.11

Essa aflição de espírito a qual Salomão se referiu é exatamente a mesma que está ferindo e torturando a mente e a vida de multidões inteiras pelo mundo, gerando sofrimentos diversos, perturbações e graves lesões na alma das pessoas atualmente, fazendo com que se tornem meras marionetes das próprias ambições. E é neste contexto que o entendimento contido nas palavras do salmista surgem como um bálsamo curativo para a alma de qualquer um que as compreenda e as pratique no seu cotidiano.

Está escrito: “Por que está abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim?” Salmo 42.5A

Todo cristão verdadeiro compreende, assim como o salmista, a importância e os benefícios de investigar a própria alma, ou seja, questionar a si mesmo(a). O auto-questionamento é um hábito que abre as portas para o autoconhecimento; e este, por sua vez, produz clareza, lucidez e permite que a luz da verdade ilumine nosso coração e mente dissolvendo tudo aquilo que, de alguma maneira, tem nos afetado, enganado e aprisionado em um estilo de vida de abatimento físico, mental e espiritual, que não condiz com o papel para o qual fomos chamados por Deus para desempenhar nessa terra.

Uma vez que conheçamos a nós mesmos, as coisas que nos abalam, incomodam, entristecem, seduzem, machucam, assim como, as nossas falhas e fraquezas, de maneira clara e plena, nos tornamos capazes de transformar nossa mente pela renovação do nosso entendimento, adequadamente, para mudar nossa perspectiva e abordagem em relação a elas e isso nos fará superá-las. Da mesma forma que, quando conseguimos "enxergar" o que nos abala, nos perturba, nos deixa ansiosos, e nos faz sofrer, nos tornamos automaticamente conscientes do poder que possuímos para transformar nossos pensamentos, ações e reações, nossas percepções e impressões, nossas palavras, para proteger nosso coração e fortificar nossa vida, gradativamente diminuindo as influências das coisas que nos abalam têm sobre nós até nos tornarmos realmente imunes a elas.

O salmista perguntou a si mesmo o que o estava afligindo profundamente ele queria saber o motivo de sua alma estar abatida. Quando foi a última vez que você fez algo semelhante consigo mesmo? Quando foi que você contemplou seu interior e questionou a si próprio acerca de suas insatisfações, desânimo e abatimento que sentiu? Quando você se perguntou o motivo de aquela situação ter lhe afetado tanto ou daquela pessoa ter conseguido tirar você do sério, ainda que internamente? Você entende o que estou dizendo?

Quando você olhou para dentro de si mesmo e fez perguntas verdadeiramente profundas, inteligentes e reveladoras a sua própria mente e coração? Perguntas cujas respostas podem dissipar a escuridão da falta de entendimento que você tem a seu próprio respeito e dissolver as brumas de sua mente e coração, permitindo que você contemple a verdade sobre si mesmo, que muitas vezes as pessoas mantém escondidas, inconscientemente, por detrás de diversas máscaras e véus mentais. Quando foi que você exigiu que seu coração lhe respondesse de maneira clara, direta e verdadeira, sem usar os truques que ele está tão acostumado a lançar mão para nos enganar em todos os assuntos, pois foi dito em Jeremias 17.9: "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?". É nossa obrigação como cristãos, praticarmos o habito de investigar nosso próprio coração, e mais do que isso, é nosso dever conhecê-lo a ponto de o doutrinarmos e disciplinarmos para que seja um coração honesto, verdadeiro, digno, justo e reto, conosco mesmo, com Deus e com o nosso próximo.


Muitas pessoas tanto no passado como atualmente acham que são reis apenas porque "ostentam uma coroa sobre a cabeça", ou seja, possuem uma posição privilegiada em relação aos demais; uma posição que lhes rende a admiração de outras pessoas e que lhes permite dar ordens e até obrigar os outros a cumpri-las; mas, na verdade, tais pessoas não passam de fantoches de suas próprias paixões e vaidades, de modo que isso lhes causa aflições sofrimentos e turbações violentíssimas interna e externamente que são capazes até de destruí-los apenas porque não possuem o devido autoconhecimento; de fato, muitos homens e mulheres, mesmo dentro de congregações, já se perderam completamente na vida por não possuírem o devido conhecimento do próprio interior. Por isso também foi escrito: "O meu povo foi destruído, por que lhe faltou o conhecimento." Oséias 4.6A.

Aqui é muito importante esclarecer que quando a bíblia nos ensina a adquirir conhecimento, como está registrado em Provérbios 18.15 que diz: "O coração do sábio adquire conhecimento...", ela está nos inspirando a buscar pelo conhecimento completo, que é a união do conhecimento que diz respeito as coisas espirituais, assim como o conhecimento das coisas físicas e também o autoconhecimento. Somente buscando o conhecimento completo seremos verdadeiramente sábios.

Salomão era rei, e como tal, possuía uma coroa sobre a cabeça, ou seja, ocupava uma admirável posição de muito destaque e autoridade em relação a seus compatriotas e contemporâneos, mas o reinado e as decisões dele não estavam firmados sobre a coroa que possuía nem sobre a autoridade e a fama que herdou de seu pai, Davi, mas sim na busca constante por conhecimento a cerca de tudo ao seu redor, tanto as coisas físicas quanto as espirituais, assim como também em compreender a si mesmo, a sua própria alma, para governá-la adequadamente em favor dos interesses de Deus e para benefício da nação. Conhecer a si mesmo era para aquele rei sábio muito mais importante do que triunfar no campo de batalha ou realizar grandes feitos, veja o que ele disse certa vez: "...Melhor é o que governa seu espírito do que o que toma uma cidade." Provérbios 16.32

Salomão sabia que o autoconhecimento lhe traria a clareza necessária para reinar sobre o único "território" que realmente importa que reinemos, nosso próprio interior; pois todo aquele que sabe reinar sobre seu próprio corpo, mente e coração, não sendo escravo nem ludibriado por tais coisas, como é comum aos indivíduos naturais; tal pessoa, mulher ou homem, certamente conseguirá combater e anular as inclinações distorcidas de sua alma e, como consequência, será um bom líder para para si mesmo e também para os que estiverem ao seu redor, seja sua família, amigos, comunidade, congregação, empresa, município, ou mesmo sua nação; mas os que desconhecem as próprias aflições internas, causadas pelos delírios e ilusões das vaidades, assim como pelas afetações e apego às paixões que possuem escondidas no íntimo de sua alma, certamente serão consumidos prematuramente por elas, se perderão em meio a essa corrida alucinada e competitividade animalesca que o espírito do mundo incita na sociedade.

O exemplo demostrado no Salmo 42.5A aponta para a importância de desenvolvermos o hábito de olharmos constantemente para dentro de nossa própria alma; ou seja,  nos debruçando sobre nós mesmo e investigarmos profundamente nossas percepções, impressões, pensamentos, sentimentos, emoções, intenções, sonhos e absolutamente tudo o que esteja em nosso interior; como também já foi dito em um momento muito solene: "Examine-se, pois, o homem a si mesmo..." 1 Coríntios 11.28A

O que tem afligido você? A maldade das pessoas? Sua atual condição financeira? Sua saúde tem sido atacada? Você crê que merece mais do que estão te dando? Perdeu o emprego? Tomou uma decisão muito errada? As coisas não estão dando certo? Os obstáculos parecem grandes demais? Está se sentindo confuso(a) com o estilo de vida moderno? Ainda não encontrou sua "alma gêmea"? Foi ofendido(a), injustiçado(a) ou discriminado(a)? 

Seja lá o que for que esteja afligindo sua alma, o autoconhecimento revelará como tais coisas estão impactando você, além disso, mostrará como você está se comportando em relação as suas falhas e fraquezas que aquelas coisas estão usando como brechas para lhe causar turbações e dores internas; muitas das quais nós mesmos temos, inconscientemente, tentado deixar escondidas e enterradas debaixo de toneladas de pensamentos, palavras e ações puramente automatizadas; mas uma vez reveladas, através do autoconhecimento, e completamente despidas de qualquer capa de inconsciência ou máscara de dissimulação, a luz da sinceridade começará a desintegrar tais turbações e dores, além disso, nos ajudará a superar nossas falhas e fraquezas; se tão somente, a partir do momento em que tomamos consciência delas aplicarmos o devido esforço organizado no sentido de reivindicarmos o controle de nossa vida. Esse é o processo que nos libertará das amarras internas que têm nos mantido presos a uma vida muito abaixo daquela que Deus deseja para nós; por isso também foi dito: "E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará." João 8.32.

Se qualquer um de nós deseja tomar o devido lugar como servo(a) do SENHOR e viver plenamente segundo a vontade e os interesses Dele para nossa vida precisamos abandonar o "autodesconhecimento" e nos aplicarmos em conhecer a nós mesmos, nossa própria alma, profundamente, porque esse autoconhecimento vale, mais e é mais útil, do que a fama, autoridade, prestígio ou tesouros, e é a única maneira segura de conseguirmos nos desapegar de nossas vaidades e nos desapaixonarmos das paixões que nos abatem.


Comentários

  1. Belo texto! Fiquei muito contente em achar o seu blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Daniela!
      Seja muito bem-vinda aqui.
      Fico contente em saber que você gostou do blog. Agradeço a Deus por isso.
      Que a luz de Cristo brilhe através de você e ilumine a todos aqueles cuja vida tiver contato com a sua.
      Grande abraço.😊

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c

“Lança o teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás.” Eclesiastes 11.1

“Lança o teu pão sobre as águas, porque, depois de muitos dias, o acharás.” Eclesiastes 11.1 Imagine por um instante que você está parado junto à margem de um grande e caudaloso rio, no qual, as águas passam por você ininterruptamente em grande volume. Agora imagine que em sua mão há uma cesta de pães de onde você retira alguns deles e gradativamente lança sobre as águas, um após outro. O que acontecerá com todos os pães que você jogar no rio? Exatamente isso que você imaginou. Todos são rapidamente levados para longe de você pela correnteza. E qual é a chance de você encontra-los novamente? Praticamente nenhuma. Mas porque criei toda essa visualização mental afinal de contas?  Para que você compreenda com mais facilidade a analogia utilizada por Salomão em Eclesiastes 11.1. O fato é que toda aquela visão mental que acabei de descrever é a forma como os cristãos compreendem a "mecânica" das boas obras. Como assim? A vida é como um grande rio e a corre