Pular para o conteúdo principal

“Os mansos... se deleitarão na abundância de paz.” Salmo 37.11




“Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz.” Salmo 37.11


Você é uma pessoa mansa? Você sabe o que a mansidão realmente significa? Vamos falar um pouco sobre isso.

Tenho certeza de que você consegue perceber facilmente, com uma simples olhada ao redor, que a multidão de indivíduos do mundo, inclusive muitos em congregações, estão acumulando e se debatendo constantemente com vários tipos de angústias  físicas, mentais e espirituais, apenas porque não têm atentado para plantar e nutrir em si mesmos e em sua vida virtudes protetoras como a mansidão e a paz. De fato, estas duas virtudes estão intimamente ligadas de maneira que compreender e desenvolver a mansidão nos permitirá gerar e experimentar abundância de paz interna e externa em nossa vida. Portanto, o primeiro passo que precisamos dar para desenvolvermos a mansidão em nós é entendermos melhor o que ela realmente é.

E o que ela é?

A mansidão é uma das nove virtudes que integram o fruto do Espírito; como está registrado em Gálatas 5.22, que diz: "Mas o Fruto do Espírito é: Caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.".

Mas o que isso significa?

Significa que, como todas as outras oito virtudes do Fruto do Espírito, a mansidão não é apenas um conceito, tampouco é um sentimento; na verdade ela é um comportamento prático, e como tal, pode e deve ser aprendido por meio do exemplo e aperfeiçoado através da prática constante em nosso cotidiano. Eis um dos motivos pelos quais Jesus disse certa vez: "...Aprendei de mim, que sou manso..." Mateus 11.29. Uma vez que o próprio Cristo demonstrava constantemente possuir um comportamento manso, diante de Deus e dos homens, em todas as situações e circunstâncias, sempre mostrando sua mansidão através de obras, palavras e exemplos práticos e vivos; Ele espera que nós possamos usar o modelo deixado por Ele como máxima referência na qual nos inspiramos para viver com semelhante mansidão no nosso dia a dia, diante das mais diversas situações e circunstâncias, e principalmente naquelas adversas.

E como aprendemos a ser mansos?

A maioria das pessoas têm dificuldade de desenvolver a mansidão porque foram expostos por muito tempo àquele conceito vago que o espírito do mundo ensina, no qual, a essência da mansidão nunca fica clara e compreensível; assim como, na maioria das vezes essa essência é distorcida e diminuída de modo que as pessoas tendem a acreditar que ser manso signifique apenas ser calmo; algo que não corresponde totalmente com a verdade. Portanto, o que precisamos ter em mente para aprendermos a mansidão da forma correta é a clara compreensão da essência dela.

E qual é essa essência?

A essência da mansidão é a serenidade; que nada mais é do que a capacidade de tomarmos total controle de tudo aquilo, em nós, que temos condição de governar, ou seja, nossas emoções, nossos pensamentos, nossas atitudes, nossa perspectiva sobre tudo o que nos rodeia, e acontece conosco, nossas decisões e nossas palavras; só para citar alguns exemplos. Além disso, a serenidade consiste em compreender que há coisas e partes da nossa existência que não podem ser alteradas, por mais que desejemos, como o nosso passado por exemplo; e que qualquer ruminação mental, apego emocional negativo ou gasto de energia no sentido de tentar reviver atos e fatos do passado não passam de um grande desperdício de vitalidade; por isso também foi escrito: "Nunca diga: Por que foram os dias passados melhores do que estes?" Eclesiastes 7.10.

Em outras palavras, a mansidão é a prática consciente e constante da serenidade; e a serenidade é a capacidade simples e intencional de produzir e sustentar harmonia em nossa mente e coração através do controle equilibrado de nossas emoções, sentimentos, pensamentos, palavras, desejos, expectativas e tudo o mais que podemos controlar, ao mesmo tempo em que abrimos mão de nos incomodarmos, preocuparmos e afligirmos com o que não está em nosso controle.

Vamos um pouco mais fundo nesse entendimento. 

Uma pessoa serena é muito mais poderosa do que outra que é apenas calma, pois a calma pode ser perdida em momentos de extrema pressão, dando lugar ao medo, ao pânico e até mesmo ao desespero; de fato, a maioria das pessoas que afirmam ser calmas geralmente o são somente em momentos de tranquilidade ou ligeira adversidade, mas quando algo mais grave ocorre tal calma tende a se esvair. 

Já a serenidade é diferente, quanto mais nos aperfeiçoamos na serenidade, mais ela faz com que a nossa mente e coração se tornem inabaláveis, tal como a mente de Cristo, dos apóstolos como Paulo e de todo cristão verdadeiro. Eis o motivo pelo qual vários cristãos do passado passaram por tantas provações e atribulações desumanas, físicas e psicológicas, de maneira tão nobre e virtuosa, sem desanimar e sem que seu espírito fosse afetado ou destruído; como foi maravilhosamente relatado em: "Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos." 2 Coríntios 4.8-9.  A serenidade alimentada pela fé que possuíam os fazia mansos ao ponto de não serem afetados internamente pelas duríssimas lutas externas que eram lançadas contra eles em quantidades cada vez maiores e mais violentas; da mesma forma que a mansidão de Cristo o ajudou a passar com serenidade por todo o martírio que lhe estava proposto, enfrentando a cruz e a morte para salvar você, eu, e todos os que O reconhecem como SENHOR e aceitam-no como único e suficiente Salvador.

Veja também o exemplo de Paulo que aprendeu a ser manso inspirando-se no exemplo de Cristo, como ele mesmo disse em: "Sede meus imitadores, como também eu, de Cristo." 1 Coríntios 11.1. Paulo foi perseguido, apedrejado, caluniado, espancado, aprisionado e muito mais; como ele mesmo relata em: "Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um; três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo..." 2 Coríntios 11.24-25. O
 mundo definitivamente não gostava daquele homem e o atacava com máxima ferocidade e violência por todos os lados, mas ele permanecia inabalavelmente sereno, ou seja, manso, diante de Deus e dos homens. Paulo, assim como muitos outros cristãos verdadeiros, mulheres e homens, tanto do passado como atualmente, desenvolveram a serenidade inspirados pelos exemplos do Mestre Jesus, logo, foram, e são, capazes de ser verdadeiramente mansos como Cristo, a despeito de qualquer obstáculo ou adversidade que a vida, o mundo ou a sociedade lhes imponha ou lance sobre eles; cristãos genuínos nunca perdem a paz interior. Por isso também foi escrito que: "...Os mansos...se deleitarão na abundância de paz." Salmo 37.11. A verdade é que se você tiver paz em seu interior, sua vida toda será pacífica, mesmo que você se encontre no olho do furacão.

Em outras palavras, enquanto a sociedade está em caos os mansos permanecem serenos, mesmo diante das situações mais graves e das provações mais severas continuarão transbordando paz de seu interior, pelos seus atos, exemplos e palavras. Pois estão totalmente concentrados em exercer pleno controle sobre si mesmos, interiormente, disciplinando os pensamentos, sentimentos, emoções, desejos, perspectivas e etc..., e, moldando-os de acordo com os princípios, os valores e as virtudes da fé que possuem; assim como também, externamente, controlando e moderando as palavras, hábitos e obras que produzem.

A serenidade é o centro da mansidão, e a forma de desenvolvê-la é discernindo que na vida há situações, acontecimentos e circunstâncias que estão além do nosso controle, como a economia mundial, a sociedade na qual vivemos, os pensamentos, julgamentos e atos dos outros a nosso respeito, a natureza e muito mais; não devemos nos preocupar ou ficar ansiosos com tais coisas, pois nenhum esforço ou sacrifício de nossa parte poderá gerar  qualquer alteração significativa sobre elas, porém; podemos e devemos nos esforçar para manter o controle da única variável que conseguimos dominar plenamente, se assim quisermos. Nós mesmos

Cada um de nós deve necessariamente aprender a dominar o próprio espírito de maneira tal que todos os impulsos externos percam a influência sobre nosso comportamento e nossas respostas ao que ocorre em nosso redor. Por isso também foi escrito que: "...Melhor é o que governa o seu próprio espírito do que o que toma uma cidade." Provérbios 16.32. Ter controle sobre nossas emoções, sentimentos, pensamentos, perspectivas e tudo o que faz parte de nosso interior nos dá poder para permanecer acima deles, gerando lucidez e discernimento profundo para que possamos dizer: "Certo, isso aconteceu desta forma, mas eu decidirei a melhor maneira de agir, não serei dominado por nenhum turbilhão sentimental, nem arrastado para nenhum abismo emocional; eu estou no controle e responderei a isso de acordo com a minha fé.". Diferentemente dos mundanos que são totalmente escravos tanto das circunstâncias externas que ocorrem com eles quanto dos sentimentos, pensamentos e emoções gerados internamente de forma aleatória, e por vezes selvagem, como resposta aos acontecimentos externos.

Compreenda que é você que está no controle de sua mente e coração, e não o contrário; assim, com a prática você vai adquirir poder completo sobre si mesmo e se tornará imune a todo o ruído caótico do espírito do mundo. Eis alguns exemplos de como tomar o controle de si mesmo:

1: Não está em nosso poder evitar que alguém ataque ou desdenhe de nossa fé em Cristo; mas está totalmente sob nosso poder controlar nossa reação para que ela seja pacífica quando isso ocorrer.

2: Não está em nosso poder impedir que circunstâncias adversas apareçam ocasionalmente em nossa vida; mas está absolutamente em nosso poder o controlar nossos impulsos para não agirmos apressadamente e intempestivamente, mas sim, prudentemente baseados na fé.

3: Está fora do nosso controle impedir que as pessoas nos firam com inveja, mentiras, traições e etc..., mas está em nosso controle não reagirmos negativamente a isso e responder com amor e tranquilidade.

4: Não está em nosso controle impedir que obstáculos, "pequenos, médios ou grandes" se interponham entre nós e nossa missão, e, ou, vocação que fomos chamados por Deus para desempenhar; mas está em nosso controle mudar nossas perspectivas de modo a não nos desesperarmos como fazem os mundanos, e encontrarmos, com sabedoria, uma maneira de transformar tais obstáculos em apenas mais uma parte do caminho a ser trilhado.

5: Não está em nosso controle evitar que, mesmo com todos os nossos esforços, alguns de nossos projetos e objetivos falhem ou não se concretizem por causa da ação de circunstâncias alheias a nossa vontade; mas está totalmente em nosso controle reavaliá-los, fazer os ajustes necessários, identificar e corrigir falhas, desenvolver melhorias, mudar a abordagem, tentar novamente, e continuar caminhando, sem desperdiçar nosso tempo e vitalidade com murmurações, tentando culpar o país, a economia, a população, a família, a congregação, o pastor, os membros, o presidente, os políticos, o chefe, o funcionário, ou o que quer que seja.

6: Não está em seu poder evitar ser bombardeado com todo esse consumismo, materialismo, megalomania ou outras influências mundanas, mesmo dentro de algumas congregações; mas está em seu controle não se deixar seduzir, influenciar ou ser absorvido por tais coisas.

7: Não está em seu poder o evitar que o trânsito dê um nó justamente quando você precisa chegar em determinado lugar ou compromisso importante, e você se veja no meio de um grande engarrafamento, ou que algum motorista distraído bata no seu carro (algo que aconteceu comigo no dia em que escrevo este texto); mas você pode escolher responder a tudo isso com tranquilidade, sem perder o equilíbrio.

O fato é que se você desenvolver essa serenidade, praticando-a dia após dia, automaticamente se tornará manso, porque nada nem ninguém conseguirá desestruturá-lo(a), e nenhuma situação será capaz de roubar seu equilíbrio emocional e espiritual. Ignore qualquer pensamento aleatório ou perturbador que apareça em sua mente, descarte qualquer sentimento nocivo, não se prenda às emoções sem controle; evite as divagações e distrações mundanas da mente, mude sua percepções a respeito das coisas que acontecem com você e ao seu redor; olhe para os acontecimentos a partir de uma perspectiva de aceitação, se forem coisas que estão fora do seu controle; concentre-se em usar a fé para controlar e desenvolver o que realmente pode ser controlado e desenvolvido; esqueça todo o resto. Você vai se surpreender com quanta paz interior irá experimentar e, obviamente, essa paz se espalhará em tudo o que fizer e em toda a sua vida.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c