Pular para o conteúdo principal

“Se alguém entre vós cuida ser religioso e não refreia a sua língua...” Tiago 1.26



“Se alguém entre vós cuida ser religioso e não refreia a sua língua, antes, engana o seu coração e a religião deste é vã.” Tiago 1.26

Este foi mais um dos versículos que me deu acesso a um entendimento cristão que causou uma verdadeira revolução na minha mente, coração e vida. Antes de compreender a essência deste versículo eu me comportava exatamente como a maioria das pessoas que caminham sobre a terra, ou seja, eu me dedicava, em todo o tempo, em todas as coisas, a falar; e, falar sem parar. Em outras palavras, eu costumava emitir opiniões sobre praticamente qualquer tema, desde os considerados mais simples até aqueles mais polêmicos, mesmo não tendo plenas capacidades e entendimento profundo sobre eles; mas, ao me deparar com o fabuloso texto de Tiago 1.26, tudo mudou, eu entendi que os verdadeiros cristãos usam mais o silêncio produtivo, do que a multidão de opiniões, frases e palavras; como está escrito: "Retém as suas palavras o que possui conhecimento..." Provérbios 17.27A.  

Se olharmos em volta, no mudo, na sociedade, nas congregações; perceberemos que grande parte das pessoas envolvidas, cada qual em seu contexto, estão fazendo exatamente a mesma coisa, a saber, falando sem parar. Eles opinam, debatem, discutem, agridem, atacam, murmuram, contra-atacam, falam aleatoriamente e lançam toneladas de frases ao vento sem nenhum propósito, todos os dias de suas vidas modernas sem perceber que esse hábito, ou por vezes, vício, é na verdade um grande acúmulo de tolice, como relatado em: "Porque da muita ocupação vêm os sonhos, e a voz do tolo, da multidão de palavras." Eclesiastes 5.3. E, eles não percebem que tal comportamento é tão venenoso para eles mesmos quanto para os que estão ou redor, e, está drenando uma quantidade absurda de energia (Motivação + Alegria) que poderia ser muito melhor aproveitada se fosse devidamente utilizada em algo de valor verdadeiro, como, por exemplo, na construção sólida (edificação) de uma postura inabalável.

Tais pessoas acham, erroneamente, que pelo fato de dispararem palavras para todos os lados, em uma velocidade alucinante, estão fazendo algum tipo de benefício, a eles mesmos, às suas congregações, aos seus grupos sociais ou à própria sociedade, mas tudo o que conseguem com esse comportamento é acender mais contendas, acirrar ainda mais os ânimos, que já estão no limite; provocar a ira de outras pessoas ou grupos e abrir espaço para que surjam ainda mais opiniões contrárias tão contundentes, intransigentes e violentas quanto as deles, causando colisões cada vez mais destrutivas para todos. E o pior de tudo nesse cenário caótico é que cada vez mais pessoas dentro de congregações estão adotando este comportamento mundano extremamente venenoso, e altamente destrutivo, como se fosse algo positivo; e agindo assim, ainda chamam a si mesmos de cristãos, mas não é bem isso o que a escritura diz a respeito deles, como está escrito: “Se alguém entre vós cuida ser religioso e não refreia a sua língua, antes, engana o seu coração e a religião deste é vã. Tiago 1.26. 

Quem não consegue manter sua língua dentro da boca não é uma ovelha, mas sim uma víbora que pensa ser ovelha; como foi dito: "...engana o seu coração...". Mas eles não compreendem que qualquer um que use a língua dessa forma selvagem e incontrolável, esteja no mundo ou nas congregações, causará grandes danos e muita destruição ao redor, de modo que a bíblia chega a comparar este hábito, ou vício, a um grande e violento incêndio, como foi dito em: "Assim também a língua é um pequeno membro e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia." Tiago 3.5; e para não deixar dúvidas, o apóstolo Tiago ainda completa o raciocínio dizendo: "A língua também é fogo; como um mundo de iniquidade, a língua está posta entre nossos membros, e contamina todo corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno." Tiago 3.6; em outras palavras, a língua não controlada possui um veneno capaz de gerar a fúria de um incêndio selvagem com potencial para destruir tudo o que encontrar pelo caminho, pois é incitada pelo próprio inferno, mas a mesma quantidade de dano e destruição que ela causar na vida das outras pessoas, também pode causará àquele que a utiliza dessa maneira irracional, pois está escrito: "Tomará alguém fogo no seu seio, sem que suas vestes se queimem?" Provérbios 6.27. O veneno da língua não controlada adoecerá, queimará e, em alguns casos, destruirá, ao mesmo tempo, tanto as pessoas que forem atacadas por ela, se não tiverem o verdadeiro entendimento cristão que nos imuniza de seus efeitos tóxicos de falatórios sem sentido; como também contaminam, adoecem, queimam e destroem aqueles que atacam. 

Ainda hoje é comum vermos pessoas que se dizem religiosas, que dizem servir a Jesus, mas que não conseguem manter o silêncio quando estão sob ataque ou mesmo quando não estão sob ataque. Para estas pessoas tudo é motivo para "bate-boca", sentem uma enorme necessidade, e satisfação, de opinar sobre tudo, e com o uso da internet esse comportamento se multiplicou absurdamente seja em canais do Youtube, em blogs, contas do twitter, perfis de facebook e muitas outras mídias sociais. Eles falam o que bem entendem da maneira mais ácida e venenosa que conseguem sem pensar nas consequências, ou pior, sem se importar com as consequências, porque podem estar escandalizando e ferindo mortalmente pessoas mais fracas que ainda não têm entendimento, que ainda não conhecem a Cristo, mas pelos quais Jesus também se sacrificou.

O fato é que quem se comporta dessa maneira ainda não conhece a Cristo com profundidade, em espírito e verdade, e por esse motivo o "cristianismo" que acham que estão propagando ou defendendo não é o verdadeiro e puro cristianismo instituído pelos ensinamentos e exemplos de Jesus, seguido pelos apóstolos e praticados até os dias de hoje pelos verdadeiros cristãos, mas sim um pseudo-cristianismo, um dos muitos falsos-evangelhos sem valor real e sem conexão com próprio Criador. É por isso, também, que Tiago 1.26 diz sabiamente que a religião daquele que não refreia a língua é em vão; como vimos em: "...e não refreia a sua língua, engana o seu coração e a religião deste é vã.".

O que tais pessoas estão fazendo com todo esse falatório, na verdade, embora jamais admitam, talvez nem para si mesmos, é buscar impor, defender e propagar, não a Cristo, mas sim as suas próprias opiniões, pensamentos, interesses e visão de sociedade, sobre as demais pessoas. Da mesma forma estão sempre lutando para engrandecer seus próprios grupos, suas facções, suas congregações, e não a verdadeira igreja do SENHOR. Eles confundem as coisas e tomam sobre si perturbações simplesmente porque não conseguem e não querem manter a língua sob controle e os lábios fechados; a alma deles sofre com acúmulo de batalhas, dores e frustrações completamente desnecessárias porque não reconhecem os benefícios da língua moderada e do silêncio produtivo. Como foi dito: "O que guarda a sua boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios tem perturbações." Provérbios 13.3

Cristãos genuínos sabem que não é pelo muito falar que serão ouvidos, tanto no seu relacionamento com Deus, como dito em: "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos." Mateus 6.7; como, igualmente, na sua interação e no trato com qualquer outra pessoa, tanto do mundo quanto de congregações, que também não consiga se manter calado, como relatado em: "Não responda ao tolo segundo a sua estultícia, para que também não te faças semelhante a ele." Provérbios 26.4. As palavras e todo falatório dos mundanos e dos falsos cristãos não são capazes de abalar nem exercem qualquer influência sobre os verdadeiros cristãos, pois todo aquele que realmente conhece e serve a Cristo são tão centrados e mentalmente sólidos quanto uma montanha, como foi dito no famoso salmo 125.1, que diz: "Os que confiam no SENHOR serão como o monte Sião, que não se abala...". Logo, cristãos genuínos são imunes ao veneno da língua alheia sem controle, justamente porque não se comportam dessa maneira selvagem, irracional e tóxica; ou seja, cristãos verdadeiros compreendem que não precisam responder, retrucar, debater, discutir, opinar e contrapor tudo o que os outros falam ou expressam sobre todos os assuntos do mundo ou da fé. Além disso, cristãos verdadeiros sabem que não precisam defender nem o cristianismo nem o próprio Deus, dos ataques, mentiras e toda covardia produzida pelos mundanos ou, até mesmo, por alguns que dizem crer em Jesus, mas comportam-se de forma completamente oposta ao que falam; de fato, Deus não deseja ser defendido, como o homem, do alto de sua arrogância, acha que tem condições de fazer com todo o seu falatório físico e virtual. 

Cristãos sabem que Deus não pode ser atingido pelas palavras tolas dos homens sem entendimento e sem fé, e o que Ele deseja, na verdade, não é ser defendido, mas sim apresentado plenamente, de forma pacífica, amorosa e verdadeira, a todo aquele que ainda não O conhece pessoalmente. E a forma como os cristãos genuínos apresentam a Cristo para os outros é com lábios moderados, língua disciplinada e, muitas vezes, em silêncio acompanhado de grandes quantidades de exemplos inspiradores e boas obras.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c