Pular para o conteúdo principal

“...Se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.” Mateus 15.14B



“...Se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.” Mateus 15.14B

Em uma época como está que vivemos, na qual há uma quantidade absurda de todo tipo de conteúdo sendo produzido e propagado através da internet, ao nosso alcance em poucos cliques. É necessário, mais do que nunca, estarmos atentos e conscientes a respeito de que conteúdo estamos consumindo,  de quais fontes estamos bebendo e de quem estamos nos permitindo ser influenciados, pois na mesma proporção em que se multiplica o conhecimento humano sobre todos os assuntos, desde os mais irrelevantes até aos mais importantes; da mesma maneira se multiplicam os falsos sábios, entendidos, enganadores,  charlatões e pseudo gurus que também produzem todo tipo de conteúdo, seja por meio de blogs, vídeos, livros e outros meios para tentar juntar para si seguidores que sejam, de alguma maneira, guiados por tais "mestres".

Não é difícil encontrar em uma busca simples e rápida, seja no Google ou no Youtube, vários blogs, páginas, livros e vídeos de pessoas se dizendo especialistas nos mais diversos assuntos e se oferecendo para ensinar a qualquer um que deseje aprender, desde nutrição até medicina alternativa, de desenvolvimento pessoal à organização de casa; de gerenciamento de tempo à estilos de vida diferenciados, de habilidades comportamentais à como cuidar de animais domésticos; tudo isso e muito mais, sem falar naquelas pessoas ensinando a como qualquer um pode aprender um novo idiomas em pouca semanas com o mínimo esforço possível, ou aqueles ensinando quem quiser e os pagar, é claro, a ficar milionários de forma vertiginosamente rápida; há também pessoas ensinando como atrair, do universo, sucesso, felicidade, dinheiro, fama, poder, amor e qualquer coisa que se deseje, apenas com a “força” do pensamento; da mesma forma têm os que estão ensinando como se tornar um empreendedor de sucesso, outros ensinando finanças pessoais, e muito, muito mais.

O ponto aqui é que a quantidade de indivíduos querendo ser o guia de outras pessoas apenas através de ensinamentos vagos, superficiais e não provados na prática, pelos quais eles cobram para ensinar, às vezes até quantias surreais, é enorme. Possivelmente você já deve ter se deparado com algum deles em um ou outro momento, seja nos formatos de internet, como canais de vídeos, páginas, blogs ou livros digitais, ou mesmo nos meios tradicionais. Mas o fato é que muitos desses guias são, na verdade, pessoas que não têm real conhecimento ou experiência naquilo que ensinam, ou seja, eles falam de coisas que nunca fizeram e pregam o que não vivem; mas mesmo quando esse não é o caso, lhes falta sabedoria e isso coloca tudo em sério risco; é por isso que, na realidade, eles são guias cegos, e não se engane, pois tais guias estão tanto na sociedade mundana quanto nas mais diversas congregações, entretanto, a despeito de serem enganadores e fraudulentos, conseguem arrebanhar alunos, fãs e seguidores engajando-os em seus mais diversos esquemas obscuros que visam satisfazer seus desejos ocultos e suas segundas intenções, a todo custo, e não estão nem um pouco preocupados em transmitir conhecimento valioso, que aumente a visão, para seus seguidores, mas sim torná-los apenas reféns de sua pseudo-sabedoria. De fato, muitos destes guias cegos não possuem sabedoria ou mesmo conhecimento algum para transmitir, mas usam sua lábia, carisma e astúcia apuradas para impressionar qualquer um desavisado que esteja buscando por determinado conhecimento específico a respeito de como melhorar a vida espiritual e física em todas as suas esferas. Geralmente guias cegos ensinam apenas retalhos de conhecimento de outros, usam frases de efeitos exageradamente, muitas das quais não compreendem com profundidade, e usam um vasto arsenal de psicologias, filosofias e teologias distorcidas, para atrair e cativar a atenção e os pensamentos de seus seguidores.

Foi justamente para nos alertar e proteger da influência de tais pessoas que Jesus disse certa vez: "Deixai-os; são condutores cegos; ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova." Mateus 15.14. E o que isso significa?

Toda vez que desejamos aprender algo valioso que possa nos desenvolver e aprimorar a nossa vida espiritual e física, assim como a das pessoas que nos rodeiam, somos, enquanto não adquirimos tal conhecimento, como cegos, pois que ainda não temos a visão ampliada pela sabedoria contida na essência do conhecimento trazido pela informação que estamos tentando encontrar e aprender. Na verdade, se analisarmos bem a nossa vida perceberemos que somos cegos a respeito de uma quantidade absurdamente assustadoras de temas, porque existem assuntos que você domina, também há assuntos que você conhece bem, ou, não tão bem, mas ao menos os conhece; entretanto, nossa cegueira se inicia quando se trata dos assuntos, temas e ensinamentos que você não domina e não conhece, mas que ainda sim você tem consciência da existência deles; porém essa cegueira se intensifica se considerarmos que existem assuntos, temas, questões e toda uma gama de conhecimentos, necessários e extremamente benéficos para nossa vida, mas que não conhecemos e nem mesmo temos a consciência disso.

Nos momentos em que nos lançamos na busca por um conhecimento específico que julgamos importante para nosso desenvolvimento espiritual, mental e físico que ainda não possuímos, seja nas questões espirituais, sobre a fé, a Verdade, a oração, o louvor, profecias, sobre os dons, sobre a bíblia, sobre dízimos e ofertas, sobre a simplicidade e outras virtudes cristãs, sobre o verdadeiro cristianismo; ou, seja nas questões mentais e físicas, sobre emprego e carreira, saúde, estudos, controle emocional, relacionamentos, finanças pessoais, empreendedorismo e tantos outros. Nos tornamos, se não formos sóbrios e vigilantes; vulneráveis à influência destes guias cegos que estão absolutamente por toda parte apregoando a si mesmos como solução para os problemas das pessoas desavisadas, tanto na sociedade mundana quanto infiltrados nas congregações, tanto como líderes quanto como membros. E se nos deixarmos ser guiados por estes indivíduos, não aprenderemos nada de valor real capaz de transformar nossa vida, e ainda estaremos completamente sujeitos a sermos arrastados com eles para o abismo, quando caírem; e acredite, mais cedo ou mais tarde eles sempre caem; ou seja, se eu deixar, por exemplo, alguém que nunca escreveu um romance me ensinar a escrever um, a probabilidade de eu também nunca conseguir escrever um livro é altíssima; você entende? Da mesma forma se eu deixar alguém que nunca casou ou não conseguiu sustentar um casamento me ensinar como fazer estas coisas, estarei fadado ao fracasso. E a mesma mecânica se aplica a praticamente todas as coisas de nossa vida, pois também, se eu deixar alguém que não tem comunhão verdadeira com Deus me ensinar sobre como ter comunhão, certamente viverei afastado do meu Criador. Espero estar sendo claro nesse ponto, pois creio que você tem inteligência suficiente para desdobrar esses exemplos e adaptá-los para as mais diversas situações da sua existência.

Nosso dever como cristãos é, portanto, proteger nosso coração dos apelos massivos que os guias cegos fazem constantemente para que cada vez mais pessoas os sigam, devemos examinar diligentemente todo aquele que escolhemos para nos ensinar qualquer coisa, seja na esfera espiritual ou na esfera natural. Somente após comprovarmos que tal professor, instrutor, mestre, guru, pastor, profeta, apóstolo, líder ou qualquer um que deseje nos ensinar algo, ou se apresente como uma pessoa capaz de nos conduzir desde um estado de desconhecimento a respeito de determinado tema até a um estado de maestria, é realmente qualificado, é que podemos receber e aceitar os ensinamentos e conhecimentos que tais pessoas têm e desejam transferir para nós.

É exatamente por realizar todo esse processo criterioso de análise de toda essa multidão de "ensinadores" que estão ao redor, o motivo dos verdadeiros cristãos não serem enganados facilmente e com a frequência alucinante que os mundanos e os pseudo cristãos que, desavisados ou não, abrem mão de proteger o próprio coração e como consequência, passam pela vida recebendo todo tipo de informações adulteradas e conhecimentos manipulados que os levam a cair em erros, esquemas, armadilhas e todo tipo de abismos que os fazem fracassar vez após vez arrastando-os para quedas, cada vez maiores; morais, éticas, sociais, sentimentais, espirituais e tantas outras, das quais levam muito tempo e sofrem muito para se recuperar, e alguns, até, nunca se recuperam.

Portanto, para que alguém ensine você sobre qualquer tema, você precisa primeiro ter certeza absoluta de que tal pessoa realmente tem a "visão", no mais amplo sentido da palavra, correta para fazê-lo; e se você é um cristão verdadeiro, então sabe que essa visão deve sempre estar intimamente ligada à essência dos ensinamentos, princípios, virtudes e conceitos da Escritura Sagrada.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c