Pular para o conteúdo principal

“Não te canses para enriqueceres...” Provérbios 23.4



“Não te canses para enriqueceres...” Provérbios 23.4

Existem duas formas de uma pessoa enriquecer, uma delas é a maneira do mundo e outra é a maneira cristã. Vamos falar um pouco sobre a diferença entre elas.

A maneira do mundo parte do princípio de que a riqueza é apenas o acúmulo do dinheiro e do que ele pode comprar, enquanto a maneira cristã entende que o dinheiro é apenas uma das partes que compõem a verdadeira riqueza, mas não a única. A maneira mundana enxerga a riqueza como um fim em si mesma, ou apenas um estado financeiro caracterizado por possuir dinheiro acima do padrão social da maioria, por outro lado, os cristãos entendem que a riqueza é algo mais abrangente, mais pleno, muito mais como uma filosofia de vida do que um simples estado financeiro.

Por causa da maneira como as pessoas do mundo, assim como muitos dentro de congregações, entendem a riqueza, eles acabam se tornando dispostos a fazer de tudo para adquirir o objeto, que na visão deles, é o símbolo característico máximo da riqueza, o próprio dinheiro, muitas vezes indo além dos limites da moral, da verdade, da honestidade e da ética para conseguir cada vez mais do objeto de seu desejo; eles tornam-se capazes de processar pessoas e empresas, mesmo de maneira infundada, tornam-se capazes de corromper e se deixar corromper, pois na mente e no coração destas pessoas entendem que quanto mais dinheiro tiverem mais ricos serão, e para alguns que estão em congregação, entendem que quanto mais ricos forem, mesmo às custas de ações duvidosas de engano e manipulação, mais abençoados são. Obviamente nenhuma dessas mentalidades correspondem a verdade, mas são pensamentos que o espírito do mundo tem espalhado indiscriminadamente no meio das multidões por toda parte.

O problema é que devotar a vida na busca por demonstrar a riqueza segundo a visão do mundo é algo que gera, no médio e longo prazo, um profundo cansaço físico e mental que acaba comprometendo a qualidade de vida de todos os que agem dessa maneira, de modo que terminam esgotando suas energias (motivação e alegria), muito embora sua vida esteja repleta e cada vez com mais pseudo-riquezas em quantidades astronômicas.

E por que isso acontece?

Isso ocorre porque o comportamento e a filosofia da riqueza mundana se baseia sobre dois pilares conhecidos, são eles: A opulência e a ostentação; ou seja, os que perseguem as riquezas segundo o mundo estão sempre procurando demonstrar o quão "ricos" são. Eles estão sempre em busca dos símbolos característicos dessa pseudo-riqueza do mundo, como carros chiques, casas grandes, roupas de grife, tecnologia de última geração e muito mais. Eles estão sempre alardeando o padrão elevado de vida do qual desfrutam ou querem desfrutar, seja para impressionar ou para causar inveja nos que estiverem ao redor; mas também há os que agem assim para, na visão deles, "provar" que Deus está com eles.

Não pense que esse tipo de comportamento só é demonstrado por pessoas extremamente abastadas, ao contrário, pessoas de praticamente todas as faixas financeiras e salariais agem exatamente da mesma forma, cada qual de acordo com sua realidade. Eles estão sempre tentando, conforme suas capacidades, impressionar seus semelhantes de alguma maneira, seja com as roupas que vestem, os acessórios que usam, o carro que dirigem, a casa em que moram, o condomínio e o bairro onde vivem, as viagens que fazem, os cargos que ocupam, os aparelhos que compram e etc...; mas não percebem que se tornaram escravos da visão de riqueza mundana cuidadosamente desenhada por suas próprias vaidades, e, para manter sua vida neste patamar acabam tendo de fazer, muitas vezes sem nem mesmo perceber, inúmeros sacrifícios pessoais, sentimentais, profissionais, financeiros, familiares e espirituais de vários tipos que vão, de alguma maneira, cansá-los, sobrecarregá-los e feri-los, seja interna ou externamente; ou então, se envolverão com loucuras, esquemas variados na ânsia de "enriquecer" ou se manterem "ricos", segundo os olhos do mundo e dos mundanos; isso fará com que a vida destas pessoas perca o sentido, ainda que não compreendam assim, e os sufocará com todo tipo de pesos sociais e mentais desnecessários que poderá fazer com que sintam um grande vazio existencial e até mesmo se aproximem da auto-destruição; como foi dito em: "Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laços, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína." 1 Timóteo 6.9

Então como os cristãos verdadeiros se afastam da visão de riqueza do mundo para construírem vidas realmente ricas segundo a visão de Deus?

Justamente usando a Palavra do livro dos Provérbios 23.4: "Não te canses para enriqueceres..."; esta é a chave, ou seja, cristãos genuínos sabem que a verdadeira riqueza, inclusive financeira, não pode ser construída ou alcançada a partir de comportamentos e padrão de vida que gerem cansaço, esgotamento, pesos, escravidão ou aflições de nenhum tipo, como está escrito em: "A bênção do SENHOR é que enriquece, e ele não acrescenta dores." Provérbios 10.22; pelo contrário, a riqueza plena, segundo a visão e os padrões de Deus, embora necessite de esforço e bom ânimo para ser construída, dia após dia, é na verdade uma fonte de refrigério, descanso, tranquilidade, justiça e satisfação; como foi maravilhosamente dito pelo rei Davi em seu celebre salmo, que diz: "O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Refrigera minha alma; guia-me pelas veredas da justiça..." Salmo 23.1-3.

Mas como construir essa riqueza plena na prática?

Está escrito: "Há quem se faça rico, não tendo coisa nenhuma, e quem se faça pobre, tendo grande riqueza." Provérbios 13.7; assim como também está escrito: "Melhor é o que se estima em pouco em tem servos do que o que se honra a si mesmo e tem falta de pão." Provérbios 12.9


E o que estes dois versículos nos ensinam?

Eles nos ensinam que todo cristão autêntico compreende que simplificar e equilibrar a vida é melhor para aumentar sua capacidade de construir riqueza plena para si, para sua família e para os que estiverem ao redor, logo, ao invés de ostentar e consumir bens, serviços e experiências exageradamente para impressionar a quem quer que seja, os cristãos escolhem deliberadamente viver bem abaixo de suas reais capacidades aquisitivas; não importando se são assalariados ou milionários. Viver assim os permite carregar muito menos peso social e mental do que são capazes e isso gera a leveza que preserva suas forças e que contribuirá para o fortalecimento e a manutenção de sua saúde física, mental, espiritual e financeira, assim como os fará evitar viver segundo as vaidades mundanas que regem os atos e hábitos da maioria da população. Viver dessa maneira faz com que os cristãos estejam sempre socialmente descansados, vivendo conscientemente e propositalmente com sobra de energia (motivação e alegria) e bom ânimo para todas as situações.

Ao escolher construir riqueza através do equilíbrio e simplicidade, como foi dito: "Melhor é uma mão cheia com descanso do que ambas as mãos cheias com trabalho e aflição de espírito." Eclesiastes 4.6, os cristãos se esquivam de todas as "oportunidades" aparentemente imperdíveis de ficarem ricos segundo o mundo, mas que lhes sobrecarregaria e desequilibraria a vida completamente com cansaço e aflições. Note que ao escolher viver de forma simples, cada qual segundo sua própria renda e capacidade, os cristãos conseguem se concentrar muito mais em construir um patrimônio sólido que não os acorrente, assim são capazes de multiplicar suas dádivas, dons e talentos plenamente, segundo a direção de Deus, de modo que acabam enriquecendo financeiramente e também em boas obras e qualidade de vida para si e para o próximo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20

“...Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18.20 Neste texto nós vamos conversar um pouco sobre os benefícios que uma congregação saudável produz na vida de todos aqueles que fazem parte dela; e tenha em mente que congregar significa justamente se reunir com outras pessoas em nome de Jesus, como relatado em Mateus 18.20. Em vários dos textos que tenho compartilhado aqui, procurei falar sobre como o espírito do mundo se infiltrou nas congregações através dos séculos para corromper os sentidos daqueles que as compõem e desvirtuá-los de seguir o verdadeiro caminho de Cristo Jesus, induzindo muitos a praticar todo tipo de estranhezas, distorções da Palavra, e até, a desistir de congregar. Por isso também foi escrito que: "E vindo o dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, Veio também Satanás entre eles." Jó 1.6 Quais são os benefícios de uma congregação saudável? Na verdade a lista de

Pedis e não recebeis, porque pedis mal... Tiago 4.3

"Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites." Tiago 4.3 Esta, sem dúvidas, é uma das frases mais conhecidas do livro de Tiago, mas durante algum tempo tive certa dificuldade de me aprofundar na grande lição contida nela. Será que você já conseguiu extrair deste versículo algo além daquilo que está na superfície? É o que tentaremos fazer agora. Creio que o hábito de pedir seja o mais intuitivo, natural e automático que possuímos, principalmente porque Jesus disse: "Pedi e dar-se-vos-a..." ; "o que pede recebe" e ainda, "tudo que pedirdes em meu nome eu o farei..." Somos ensinados e acostumados a pedir; há alguns até que se tornam viciados em fazê-lo, alguns tratam o Senhor absoluto do universo como se Ele fosse uma espécie de "gênio da bíblia", ou seja, na mentalidade destas pessoas Deus serve apenas para realizar seus desejos não importando o quão banais, vaidosos, egoístas, hedonista

A alegria do SENHOR é a vossa força. Neemias 8.10

"...Portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força." Neemias 8.10 No cristianismo há duas relações diretas que afetam grandemente a nossa vida caso tenhamos o devido conhecimento delas para usarmos da forma correta e a nosso favor. E que relações são estas? Como você já deve imaginar por causa do título deste texto estamos falando de alegria e força , assim como de tristeza e fraqueza, ou seja, alegria é igual a força e tristeza é igual a fraqueza; porém o foco de nossa conversa será completamente sobre as duas primeiras.  Cristãos conhecem profundamente isso e usam este entendimento a seu favor; o meu desejo ao escrever este texto é que você também possa fazer o mesmo de modo a fortalecer sua vida cada vez mais. Algumas pessoas podem ter certa dificuldade em entender a necessidade vital que os cristãos têm de se alegrar, de proteger e multiplicar a alegria; tais pessoas podem perguntar: Por que devo me alegrar se as c